Sonho é para se realizar

Educação ajudou presidente da Cooperlix a vencer dificuldades, crescer e prestar um serviço importante para preservar o meio ambiente e o bem-estar da cidade de Presidente Prudente.

Diego-capa-Setor3-Reduzida
Diego presta um serviço importante em sua comunidade com agente ambiental por meio da cooperativa. (crédito da imagem: divulgação)

De tempos em tempos, Diego Victor Lopes do Santos, 26 anos, é convidado para palestrar sobre a trajetória da sua vida pessoal e profissional e, ainda, responder à comunidade de Presidente Prudente, uma das principais cidades do centro oeste paulista, sobre a atuação da Cooperlix – Cooperativa de Trabalhadores de Produtos Recicláveis. São funções e responsabilidades que Diego desempenha com satisfação.

Como presidente da Cooperlix, desde 2017, faz questão de divulgar e conscientizar a população, estimada em 220 mil habitantes, sobre separar corretamente os materiais descartados diariamente. “Quando os moradores misturam todos os objetos – restos de comida, fraldas, folhas, vidros, plásticos, etc -, tudo vira lixo, tudo fica inutilizado; prejudica o trabalho de triagem. ”

Faça sol, faça chuva, a cooperativa coleta de 220 a 250 toneladas de material, com o apoio de 90 associados. Sem esse trabalho, os vários tipos de resíduos não teriam o destino correto, do ponto de vista da preservação ambiental, nem seriam reciclados gerando renda a uma parcela importante da população. Como Diego explica, a Cooperlix ajuda o Planeta e a prefeitura a promover o bem-estar do município. “Nos sentimos importantes para a cidade. Somos responsáveis pelo destino dos materiais consumidos e rejeitados, que não teriam lugar para serem descartados, mas, com a coleta seletiva e a reciclagem, podem ser reaproveitados como matéria-prima e insumos para produzir novos produtos.”

Diego começou a atuar nesse segmento um pouco antes de 2014, ano em que estava previsto o fim dos lixões, pela Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS). Segundo a lei, novas soluções deveriam ser adotadas para lidar com os rejeitos do consumo, como aterros sanitários e coleta seletiva para separar materiais recicláveis e/ou reaproveitados. “Eu trabalhava no lixão de Prudente até a noite. Tinha decidido trabalhar por conta própria, por isso, eu e meu cunhado compramos um carro e saímos para catar lixo reciclável pelas ruas.”

No ano seguinte, o Movimento Nacional dos Catadores iniciou o processo de contratação de catadores para criar a cooperativa. Nesse processo, Diego aproveitou a oportunidade para contar sobre o seu conhecimento e a sua vivência na área administrativa, adquiridos como aprendiz numa empresa do setor alimentício. Fez o Programa Aprendizagem Gestão e Negócios do Senac, em 2012. Antes, aos 17 anos, fez o Programa de Educação para o Trabalho – Novas Conexões, o primeiro curso que participou depois do ensino médio. E é ao PET que ele credita o início da sua transformação profissional.

“Foi onde comecei a minha carreira. Nessa época não sabia conversar, era tímido. Aprendi a lidar com o público, a como vender um produto, a me comportar mesmo.”

As experiências anteriores foram bem úteis para Diego. Ele lembra bem como seu conhecimento foi útil para iniciar sua função como fiscal, administrando os negócios da cooperativa, mas também para lidar com os seus pares e outros públicos com quem se relacionava. “Como sabia conversar, lidava bem com pessoas importantes do Ministério Público, procuradores, etc.”

Em 2015, Diego assumiu o conselho fiscal e administrativo, e logo depois a presidência da Cooperlix. Além da parte administrativa, faz um pouco de tudo dentro do barracão. Cuida dos interesses dos associados e da infraestrutura para a realização das tarefas com muita disposição e assertividade. “Fico grato pelo trabalho na cooperativa e pela confiança. Minha vida mudou muito. Cumpro um horário de acordo com a legislação trabalhista, tenho alimentação, transporte, cobertura do INSS, e um rendimento fixo para sustentar a mim e a minha família – esposa e dois filhos.

Apesar de reconhecer suas vitórias, Diego deseja crescer mais. Quer fazer faculdade na área para melhorar ainda mais a sua atuação e a performance da cooperativa. “Quero que a Cooperlix preste um trabalho de excelência, inove com apoio de tecnologia, equipamentos, caminhões, para o bem da população, do meio ambiente e dos próprios associados; além de cumprir um papel de inclusão. Não vemos se a pessoa foi usuária de droga ou já foi presa. Damos oportunidade de trabalho para quem deseja mudar e melhorar de vida.”

A determinação de Diego foi resultado dos ensinamentos da avó, por quem foi criado com apoio do pai. Somente com 11 anos, passou a ter contato com a mãe. “A maior lição da minha avó: ter força de vontade de trabalhar, sempre, para a gente se sustentar. ”

E o recado de Diego é esse: sonho é para se realizar. Arregaçar as mangas, e criar condições de realizá-lo.

No mês passado, os alunos do Programa Senac de Aprendizagem do Senac Presidente Prudente criaram uma sala de descanso aos cooperados. Os estudantes arrecadaram móveis e objetos com empresas e comunidade da região. O sofá é feito de paletes, os puffs de garrafas PET e caixas de madeiras viraram estantes. As imagens estão na galeria.

 

*Texto elaborado por Renata Hernandes, da equipe de redação do Senac São Paulo. 

Conheça aqui o trabalho da Cooperlix: http://www.cooperlix.com.br/