Secretária de Educação de Helsinque, da Finlândia, explicou características para currículo do século 21

ultnot-topo-transformarInovação, diálogo com diferentes atores, habilidades pessoais para resolver problemas do dia a dia, alta conectividade para ligar distâncias territoriais, troca e compartilhamento de saberes. Todas essas expressões foram debatidas durante o Transformar – A Educação está em Evolução, realizado pela Fundação Lemann, Instituto Inspirare e Instituto Península, com apoio da Futura, que ocorreu na última terça-feira (25 de agosto), no Espaço Vila dos Ipês, na Vila Leopoldina, zona oeste de São Paulo.

O encontro abordou currículo e interdisciplinaridade, competências para a vida no século 21, ensino híbrido, fabricação digital e cultura maker, formação de professores, avaliação, certificação, conectividade e empreendedorismo em educação. O evento foi destinado para gestores públicos, educadores, investidores, empreendedores, lideranças sociais e outros interessados em inovações educacionais.

Nesta edição, o Transformar ainda ofereceu uma edição do Fab Learn, evento sobre fabricação em educação, cultura “maker” e aprendizado mão na massa, promovido pela Universidade de Stanford em parceria com o Programaê. Clique aqui para saber sobre esse espaço: http://goo.gl/1UbXza

Crédito da imagem: Luciana Serra para Porvir

Para abrir um rico debate sobre práticas de inovação na educação, a secretária da educação de Helsinque, da Finlândia, Marjo Kyllönen, ministrou a palestra Currículo para o Século 21. Ela questionou o público quais eram as principais competências para o futuro e levantou as seguintes propostas: postura colaborativa, solucionar os problemas junto com outras pessoas, construção de competências sociais, estimular o crescimento de cidadãos responsáveis, entre outras habilidades. “Acredito que no futuro precisa de cidadãos fortes”, sinalizou.

A secretária atua como gestora educacional na Divisão de Educação Geral de Helsinki (Finlândia), que atende alunos de sete a 15 anos de idade, desde 2004. Também é doutora em educação, defendeu tese sobre o tema Escola e Liderança Futuras, em dezembro de 2011. Após essa etapa, continuou a desenvolver o conceito de future school, seu papel e perspectiva na sociedade. Obteve também diploma em educação primária e da primeira infância e foi professora primária e pré-primária antes de ter sido nomeada, em 2001, a ocupar cargo administrativo. Possui diversas publicações nas áreas de educação básica e pré-primária.

Marjo defendeu ainda que as crianças, adolescentes e jovens precisam ser estimulados a ter raciocínio crítico e mais criativos para terem uma mente flexível. “Para combinar mais coisas, eles precisam ter um conhecimento que passe por todas as disciplinas”, ressaltou. Em sua opinião, também é importante aprenderem a serem mais colaborativos, em que cada um consiga seguir sua própria trajetória, vinculados a fenômenos da vida real. Dessa forma, ela até sugeriu o profissional classificado como “coaching” desses alunos para contribuírem nesse processo de aprendizagem.

“Na Finlândia, não acreditamos nas provas e deveríamos focar na energia, orientar no processo em si. Precisamos ter uma abordagem holística, investindo na liderança e ao mesmo tempo mudar a cultura da escola. Para isso, incentivamos professores com experiências para incentivarem outros a não temerem tanto seus erros”, afirmou Marjo.
A gestora educacional da Divisão de Educação Geral de Helsinki comentou ainda que os docentes em estágio avançado nas práticas inovadoras orientam seus colegas para saírem um pouco da maneira tradicional de ministrarem aulas para se direcionarem para uma educação baseada em fenômenos.

“Pelo menos duas vezes ao ano, a entidade trabalha com fenômenos reais para que possam compreender e entenderem tudo isso, do planejamento até a realização. “Eles começam a ter essa abordagem e as aulas se tornam mais atraentes”, compartilhou a finlandesa com o público.

Ela revelou que quer muito que seu país estimule ações em que todos possam aprender: “Espero que todos se sintam motivados a aprender tudo aquilo e vivenciar em diferentes locais de aprendizagem. Esse é meu sonho para a Finlândia. Quem quer fazer parte disso?, convidou o público para integrar o movimento de inovação em educação.
Serviço:

Acesse o site do evento aqui: http://transformareducacao.org.br/
Confira cobertura da equipe do Porvir: http://porvir.org/

Confira abaixo cobertura completa do Portal Setor3:

Palestrantes falam sobre práticas de ensino híbrido no Transformar 2015

Gerente do Programa Ceibal, do Urugai, explica desafios e avanços com a iniciativa de inclusão digital

Criador do projeto FabLab@Schoolvaloriza a importância de espaços makers no processo de aprendizagem

Grupos de mentoria podem ser uma saída aos professores para inovação em formatos de aulas, segundo CEO da Bloomboard


Data de publicação original: 26/08/2015