Rede Nossa São Paulo lança Programa de Metas atualizado, Mapa da Desigualdade e 32xSP

Rede Nossa São Paulo lança Programa de Metas atualizado, Mapa da Desigualdade e 32xSP
Primeiro foi apresentado o cumprimento ou não das 123 metas prometidas pela Prefeitura de São Paulo

Em épocas de campanhas políticas a prefeito e vereadores, é importante acompanhar o que o gestor público realizou, como fez e se atingiu as promessas de campanha. No caso da cidade de São Paulo, a gestão do atual prefeito Fernando Haddad foi avaliada no Programa de Metas da atual gestão municipal. A Rede Nossa São Paulo promoveu o balanço do Plano de Metas, o Mapa da Desigualdade e o projeto 32xSP na manhã de ontem no auditório do Sesc Consolação.

Primeiro foi apresentado o cumprimento ou não das 123 metas prometidas pela Prefeitura de São Paulo para o período 2013/2016, baseado nos dados da própria Prefeitura.

Maurício Broizini, coordenador executivo da Rede Nossa São Paulo, apresentou os dados do estudo e um dos principais revela que faltando somente quatro meses ao final da gestão, 23 metas estão com índicede cumprimento abaixo de 50%, enquanto nas outras 39% esse indicador está acima de 50%.

O primeiro objetivo é desenvolvimento social, das 13 metas, 4 foram superadas, um 100% concluída, três entre 50 a 75% e três entre 75 a 99,99%. Em educação, no segundo objetivo, duas foram superadas, e nenhuma totalmente concluída, duas entre 50 a 75% finalizada e duas entre 25 a 50% de realização das metas. No terceiro item, para a saúde, nenhuma terminada 100%, quatro metas estão entr15019e 75 e 99,99% e duas entre 50 a 75%.

Cultura foi o quarto objetivo, com duas metas superadas, duas 10% finalizadas e uma entre 75 e 99,99%. Na parte de habitação, foram três metas avaliadas, sendo que essas estão na fase de 50 a 75% de realização. O objetivo sete, voltado para esporte e lazer, foram cinco metas avaliadas e uma superada, uma 100% concluída, duas entre 50 e 75% e uma entre zero e 25%.

A conclusão do estudo mostrou que 19 metas foram superadas, 42 em 100% finalização, 14 entre 75 e 99,99%, 25 entre 50 e 75%, 17 de 25 a 50% e 06 de zero a 25%. Esses números comprovam que a gestão do prefeito Haddad conseguiu cumprir 78,96% em 91,66% do tempo de mandato.

Após a apresentação de cada objetivo, Weber Sutti, secretário adjunto da Secretaria do Governo Municipal, fez uma breve apresentação das ações do governo do atual prefeito de São Paulo. Foram 74 metas concluídas, 17 concluídas em sua maioria, 26 em andamento com benefícios e seis em andamento. Em sua fala, o representante do governo da Prefeitura Municipal de São Paulo ressaltou a importância da população entender os entraves da gestão pública, tanto no processo de liberação de recursos, quanto na implementação dos projetos. Citou ainda que alguns programas, como o Braços Abertos e Autonomia em foco, contribuíram consideravelmente para a superação da pobreza e até 88% na redução do consumo de drogas.

Por outro lado, houveram dificuldades. Por exemplo, um dos desafios foi a construção de 243 CEIs, que não ocorreu, porém, o governo não deixou de aumentar o número de vagas. Hoje há mais 100 mil vagas na educação infantil. Outras ações de saúde, cultura, esporte e outros foram abordados na apresentação do secretário.

Oded Grajew, coordenador geral da Rede Nossa São Paulo, apresentou e disse que esse é uma publicação importante aos candidatos para Prefeitura de SP considerar em seus planos de governo. Na parte de cultura, o acervo de livros infanto-juvenis, o melhor índice está na região da Consolação é de 5,27 e a pior está no Capão Redondo com 0,002, 36 distritos com indicador zero. Na questão de acervo de livros para adultos, o melhor índice está com 7,92 na região da Sé e o pior no Jardim Luís com 0,001. Já os centros culturais, casas e espaços de cultura, o melhor indicador está na região da Sé com 3,58, já em Sacomã baixa para 0,039.

Em educação, demanda atendida em creches, o melhor índice é de 98,22 em Guianases e o pior está em toro de 30,67 na Sé. Em área verde, o melhor índice está em torno de 341,44 em Parelheiros, já em Cidade Ademar como pior com 0,773.

No final da apresentação de todo estudo, Oded destacou 34 distritos com os piores avaliações dos 40 indicadores. São eles: Brás, BRasilândia, Tremembé, Brasilância, Cahoeirinha, Cidade Ademar, Grajaú, Vila Jacuí, Marsilac, Parelheiros, Vila Medeiros, São Rafael, entre outros. Em geral, observou-se como prioridade de políticas públicas nos distritos com os piores indicadores: dois indicadores pioraram, quatro permaneceram iguais e seis melhoraram. O coordenador geral da Nossa São Paulo ressaltou que os candidatos à prefeitura de São Paulo comprometidos precisam combater a desigualdade.

Calculando as diferenças

Após a apresentação dos números das desigualdades em diversos itens, a diretora executiva da Oxfam Brasil, Kátia Maia, falou sobre o trabalho da organização e plataforma Calculadora da Desigualdade. É um aplicativo digital desenvolvido pela organização em parceria com a agência digital de jornalismo investigativo Ojo Público, em que compara os rendimentos mensais de cidadãos em 16 países da América Latina e do Caribe, incluindo o Brasil. Acesse aqui a notícia sobre essa iniciativa: http://goo.gl/oaDzGd

Olhar local

Com o nome 32xSP, o site  de notícias mostra o que acontece nas 32 subprefeituras da cidade. A plataforma é resultado da parceria entre Rede Nossa São Paulo e a Agência Mural de Jornalismo das Periferias.

Após as apresentações, os candidatos e representantes que compareceram ao evento puderam apresentar suas propostas para reduzir a desigualdade na capital paulista. Confira aqui na notícia feita pela equipe da organização: http://goo.gl/w83B9z


Imagem: Divulgação
Data original da publicação: 02/09/2016