Quase metade dos paulistanos avaliam negativamente preservação de praças e parques

Nossa São Paula lança pesquisa Viver em São Paulo focada nas questões de meio ambiente hoje no Sesc Interlagos.

pesquisa-Viver-em-Sao-Paulo_Reduzida
39% dos brasileiros não separam o material orgânico do reciclável. (crédito da imagem: divulgação)

Preservação e manutenção de praças e parques de São Paulo, separação de materiais recicláveis, circulação de carros, inspeção veicular ambiental foram os temas questionados desta edição do Viver em São Paulo – A Cidade e Meio Ambiente, realizado pela equipe da Rede Nossa São Paulo, lançado na manhã de hoje no auditório do Sesc Interlagos, na zona sul de São Paulo.

Foram feitas 800 entrevistas com paulistanos de 16 anos ou mais, entre os dias 05 e 22 de abril deste ano por meio de coleta face-a-face e on-line. Os resultados foram ponderados para restabelecer o peso de cada região da cidade e o perfil dos respondentes.

A maioria do público consultado é formado por mulheres (54%), da classe C (47%) e em seguida vem a B (36%). A maior parte possui ensino médio (38%) e ensino fundamental (33%), branca (52%) e preta/parda (45%), 28% possuem 55 anos de idade e mais e 20% de 25 a 34 anos. Em relação à renda familiar, 32% recebem até dois salários mínimos e 31% tem mais de dois a cinco salários mínimos e mais de cinco salários mínimos. 46% é da religião católica. 35% são da zona leste, 32% sul, 20% norte, 10% oeste e 4% centro.

Na questão sobre preservação e manutenção das praças e parques da cidade de São Paulo, 41% acham regular, 25% consideram ruim, 23% péssima e 8% boa e 3% ótima. Se observar bem essa questão nos bairros, os moradores da região Oeste são os mais críticos em relação à preservação e manutenção de parques e praças.

Apenas quatro em cada 10 paulistanos não tem ainda o hábito de separar os materiais recicláveis dos não recicláveis: 57% separam e 42% não separam. A proporção dos que declaram fazer a separação dos materiais recicláveis em casa aumenta quando são: mais velhos, mais instruídos e mais ricos são os entrevistados. Outro dado importante: 39% dos brasileiros não separam o material orgânico do reciclável. A separação de materiais recicláveis em casa é mais expressiva entre os que residem nas regiões oeste e centro.

Outra constatação é que o descarte por meio dos caminhões da Prefeitura é mais usado pelos moradores das regiões sul e centro, já aqueles que moram nas zonas norte e leste utilizam mais serviços dos catadores de rua. De forma geral, 38% descartam pela Prefeitura (caminhão que passa na rua), 28% por catadores de rua, 15% os recicláveis são levados por você ou outra pessoa a um ponto de reciclagem, 12% por uma cooperativa ou associação, 6% outros e 2% nem sabem.

Pouco mais de 3/4 dos paulistanos são favoráveis à adoção de medidas que limitam a circulação de veículos para diminuir a poluição na cidade: 76% a favor, 20% contra e 4% não sabem ainda. Inspeção veicular ambiental é a medida que mais ajudaria a reduzir a poluição da cidade, dentre as levantadas pelos entrevistados: implantar novamente a inspeção veicular ambiental que verifica os níveis de gases, poluentes e ruídos dos automóveis; limitar a circulação de veículos em algumas ruas e avenidas do centro expandido da cidade, ampliar o horário de duração do rodízio na cidade, aumentar o número de dias do rodízio de carros para dois ou mais dias e outros. As menções à inspeção veicular na cidade de São Paulo são mais expressivas entre os moradores das regiões norte e oeste.

Quase cinco em cada 10 dos paulistanos afirmam que com certeza deixariam de consumir produtos que geram prejuízos ambientais e sociais. 46% com certeza deixaria de consumir, 40% talvez deixasse de consumir e 12% não deixaria de consumir. Moradores da região norte são os que mais declaram que talvez deixassem de consumir um produto em caso de prejuízos sociais e ambientais, enquanto os da região leste se destacam entre os que não mudariam os hábitos de consumo.

Em resumo, os principais aprendizados com esse estudo foram:
1) manutenção de parques e praças – percebida de forma negativa por quase metade da população;
2) paulistanos engajados – apesar de quatro em cada dez não separem os resíduos recicláveis, aqueles que se dispõem a separar tais materiais estão mais abertos a mudar de hábitos de consumo para impactar menos no meio ambiente,
3) catadores de materiais recicláveis – atividade complementar ao serviço prestado pela Prefeitura, suprindo a demanda de descarte de pouco mais de 1/4 dos paulistanos fazem separação de materiais recicláveis;
4) favorabilidade para a limitação da circulação de veículos na cidade – a preocupação com a poluição em São Paulo parece motivar o paulistano a apoiar a aplicação de medidas de controle de circulação dos veículos na cidade;
5) a temática ambiental na cidade – em geral, os entrevistados mais velhos, mais escolarizados e os mais ricos têm opiniões mais contundentes sobre o tema.

Para assistir o lançamento do estudo, acesse aqui: https://goo.gl/gJQXzx

A íntegra do levantamento está aqui: https://goo.gl/wfXK9y

A apresentação também pode ser consultada aqui: https://goo.gl/DE1VEC

COMPARTILHAR