Quais sãos os comportamentos essenciais para empreender?

Diferentes especialistas indicam características importantes para ser bom empreendedor.

Arte de grupo de pessoas conversando no fundo e texto escrito: Webinar Senac e logo da Semana Global do Empreendedorismo e Empreendedorismo do futuro: comportamento e novos caminhos para inovar.
Webinar ocorreu na noite de 27 de novembro. (crédito da imagem: divulgação)

Segundo a pesquisa internacional Global Entrepreneurship Monitor (GEM), aplicada pelo Sebrae, cerca de 52 milhões de brasileiros estão empreendendo no Brasil. Também constata que a nova era do trabalho exige competências no currículo e desenvolvimento de habilidades, como flexibilidade, criatividade, gestão de tempo, empatia, pensamento crítico e trabalho em equipe, conhecido como soft skills.

Para ajudar no debate desse cenário, o Senac São Paulo promoveu o webinar Empreendedorismo do futuro: comportamento e novos caminhos para inovar. Participaram: Fernanda Nascimento, planejadora de marketing, especialista customer centric que estuda e cria estratégias de marketing digital para empresas B2B; Anderson Penha, graduado em Tecnologia Mecatrônica, pós-graduado em Gestão Empresarial, com MBA em Administração de Projetos e pós-graduando em Psicodrama e atua no desenvolvimento de empreendimentos sociais, experimentais e criativos na região do ABC Paulista, e Alice Salvo Sosnowski, jornalista, consultora de negócios e especialista em empreendedorismo, criadora da metodologia O Pulo do Gato Empreendedor, que desenvolve soft skills a empreendedores e intraempreendedores nesta nova era de trabalho do século XXI.

A mediadora começou o debate questionando se era possível aprender empreendendo. Fernanda concordou e disse que pode ser ativado pelo conhecimento e prática. “No começo é uma atividade difícil e depois se torna um hábito. Não temos na educação comum pessoas habilitadas e pré-dispostas. Não temos nas graduações uma cultura empreendedora. Por isso, temos que valorizar a postura intraempreendedora”, analisa.

Fernanda começou a empreender quando ficou desempregada em janeiro de 2014. Hoje ela não se vê dentro de uma corporação. “Hoje eu preciso me inovar sempre, porque tem um consumidor que não pára”.

Escuta ativa e gerar valor são comportamentos necessários para empreender, levantados pelos especialistas. “Gerar valor aos clientes e entender o que ele quer. Hoje eu empreendo e educo meus filhos sobre esse tema”, conta Anderson.

Além de trabalhar o tema de empreendedorismo desde cedo para crianças, Anderson também defende a importância de estudar tendências e contra tendências. Citou o caso do Ifood, que está ganhando espaço cada vez mais. Já Alice comenta que os aplicativos de transporte de comida estão impactando os serviços de delivery e hábitos de cozinhar das famílias. “Quando discutimos comportamento digital do empreendedor também falamos do impacto social que gera. As sociedades mais desenvolvidas estão voltando a fazer trabalho manual. Dentro dos EUA, aparece uma sociedade made in e o nome do bairro. Há uma tendência no microssistema e isso tem uma percepção do novo. Ela quer resgatar e saber trabalhar essa percepção”, analisa o desenvolvedor de empreendimentos na região ABC Paulista.

Já Fernanda defende que é importante um empreendedor ter uma visão de criança, sempre observando e com olhar neutro sem opinião. “É importante desenvolvermos habilidades leves. Aprender a não trazer julgamento”, ressalta.

Empreender pode ser cultural e/ou disciplina. Tanto Fernanda e Anderson pontuaram que é necessário o empreendedor sempre estar disposto a observar, inovar, se arriscar e não ter medo. “São experimentações. Gosto de falar que não quer dizer que você irá acertar sempre”, pontua Anderson.

Como identificar um caminho promissor? Anderson fala sobre demanda e oferta. Ele compartilha que já escutou de gestores que fica pensando em como ocupar o tempo dele livre. “Na minha visão, traz oportunidades para áreas de conteúdo e novos tipos de formatos, não exigindo das pessoas a presença, por exemplo os podcasts. Outra opção são as escolas de culinária a viajantes para ensinar pessoas que querem aprender a comida do lugar. Você tem que entender para aonde sociedade está indo e o que ela vai demandar para conseguir fazer as apostas”, observa.

Os dois especialistas pontuam em diversos momentos do bate-papo on-line que os negócios são criados para resolver um problema e isso dá mais chances para ter sucesso. “Quanto mais observar os detalhes dos problemas, melhor para procurar as soluções deles”, diz Anderson.

Quando foram questionados sobre o comportamento fundamental para empreender, os três especialistas responderam: disposição ao risco, equilibrar a razão e emoção e estar no campo para falar olho no olho com as pessoas.

A conversa contou com várias questões dos internautas e os especialistas ainda falaram sobre comportamento na economia criativa, empreender em novos segmentos e a importância de estudar e buscar informações na área. Confira na íntegra o webinar: https://bit.ly/2r1z22q