Projeto Brincar, do Senac São Paulo, completa 10 anos de trajetória

Iniciativa do Centro Universitário Senac Santo Amaro contribui na formação de estudantes e organizações da sociedade civil organizada.

Brinquedos-Projeto-Brincar-2-Reduzida
Universitários desenvolvem jogos multissensoriais para alunos da AACD. (crédito da imagem: divulgação)

Uma sala cheia de bonecos, mobiliários lúdicos e figurinos, que são inspirações para brincar em locais diferenciados. Essa é a sala do Projeto Brincar: Ludicidade e Inclusão, que completa neste ano 10 anos de trajetória nos cursos de graduação do Centro Universitário Senac- Santo Amaro e estimula os estudantes a projetarem peças diferenciadas, dentro de suas áreas de conhecimento, para convidar crianças e adolescentes a utilizarem espaços mais inclusivos e lúdicos.

A iniciativa começou como uma disciplina chamada Projeto Lazer no segundo semestre do curso Bacharelado em Design Industrial. Em 2008, o tema do projeto proposto pelos professores Marcella Ocke e Anderson Luis da Silva, foi a criação de mobiliário lúdicos para uma comunidade próxima da instituição. Os móveis foram criados e executados em escala real, entretanto como os alunos estavam apenas no segundo semestre do curso, faltaram ajustes que tornassem a iniciativa viável para entrega definitiva à comunidade. Assim surgiu a iniciativa de criar um projeto de extensão universitária com objetivo em atender essa demanda. O projeto foi coordenado pela professora Marcella, que convidou a professora Fábia Campos e os professores Anderson e Paulo de Tarso para integrar a equipe. O projeto Brincar: qualidade de vida nascia. Foram convidados alunos de outros semestres para participarem e entregarem os mobiliários com toda a segurança para a comunidade. Com o sucesso inicial, foi resolvido nesse momento somente a professora Marcella e Fábia dar prosseguimento ao Brincar. Foram mais três anos com alunos de outros cursos, temas e comunidades diversas visando geração de renda.

fabia-diretores-CASReduzida
Professora Fábia apresenta brinquedos e explica processo de confecção para coordenadores e diretores do Centro Universitário Senac e da AACD em dezembro de 2016. (crédito da imagem: divulgação)

A professora Marcella se tornou coordenadora do curso Design Industrial e, consequentemente, Fábia ficou na coordenação do Projeto Brincar com foco em Ludicidade. “Cada vez mais atendemos um público diferenciado. Podemos ficar com a mesma instituição por até três anos, dependendo do tamanho da demanda. Esse é o caso do parceiro Lar Escola da AACD. A maioria dos alunos são de Design Gráfico e Industrial, Design de Moda e Estilo, Arquitetura, Fotografia e Audiovisual”.

Na sala de projeto

brinquedos-Projetos-Brincar-Reduzida
Parte dos brinquedos desenvolvidos no Projeto Brincar apresentados em dezembro de 2016. (crédito da imagem: divulgação)

Os alunos se reúnem uma vez por semana e tem um compromisso de dedicar ao projeto, por volta de 16 horas semanais. Todos compartilham sua produção por meio de fotos em um grupo fechado no Facebook e presencialmente às terças-feiras. Cerca de 10 instituições já foram atendidas pelo programa.

Juliana Tuchsznajder Campos é estudante de Design Gráfico do oitavo semestre, 21 anos. Ela já participa há três anos da iniciativa e do Projeto Construção do Saber – outra iniciativa interdisciplinar aos cursos de graduação desse Centro Universitário Senac. “Aprendi a lidar melhor com a finalização de arquivos e montagem de produtos. Também conheci mais sobre a multidisciplinaridade do Design para que possa contribuir para a comunidade através destes tipos de projetos, que são reais para suprir necessidades do dia a dia”.

A estudante ainda observa que aprendeu um ritmo de trabalho intenso e fazer mais de uma tarefa ao mesmo tempo. “Realmente compensa ver seu projeto pronto e sendo apreciado depois de ter suado muito para que ele saísse perfeito”, avalia e se lembra da entrega dos produtos para o Lar Escola AACD e no Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo. Ela se recorda até hoje da emoção que viveu com os jovens e adultos que brincaram com os produtos feitos por eles.

Já Gustavo Oliveira Nunes, 23 anos, estudante de Design Gráfico do 6º semestre, contou que decidiu participar do Projeto Brincar desde o começo de 2017 e ficou até o fim do ano. Ele ficou bem interessado pela proposta da iniciativa em desenvolver objetos de leitura para ensinar através de uma forma lúdica, leve e divertida. “Aprendi muito sobre jovens com paralisia cerebral, desenvolvimento de livros e como ensinar um conteúdo de formas alternativas. Nesse projeto jamais imaginei que aprenderia como fazer livros de pop up, que foi muito útil na minha segunda etapa do projeto”. Ainda disse que após esse trabalho levará a percepção de que todos têm potencialidades que podem ser trabalhadas e existem diferentes formas de ensinar um mesmo conteúdo. E finaliza: “O Projeto Brincar é um projeto que te faz crescer não apenas como profissional, mas como pessoa”.

projeto-brincar-cadeira-Reduzida
Cadeira táxi desenvolvida pelos estudantes do Centro Universitário Senac no Projeto Brincar em 2016. (crédito da imagem: divulgação)

Outro aluno que já participou foi Beatriz Carvalho, 20 anos, do curso de Design Gráfico do sexto semestre participa há um ano e também do Construção do Saber. “No final de 2016, a professora Fábia foi até a sala onde eu estava e apresentou o projeto. Explicou que seria um projeto que levaria interação e diversão para crianças do Lar Escola AACD. Fiquei super interessada por me identificar com o projeto tanto no contexto profissional, pois poderia aprender um pouco mais sobre a área do Design, tanto no contexto social, de poder de alguma forma, fazer com que aquelas crianças e jovens se sentissem incluídas na nossa sociedade que geralmente invisibiliza muita gente”, compartilha a decisão dela. A jovem ainda fala que aprendeu como funciona a montagem de livros interativos, como páginas soltas, pop-ups, relevos e disponibilizar todo esse material a diversos tipos de deficiência.
“Não imaginava como seria trabalhar em uma equipe com pessoas de outros cursos, nem que iríamos visitar a AACD. Foi muito gratificante e inspirador estar em contato com as crianças e os jovens. Também não pensava o quão grandioso seria o resultado do projeto. Quando estávamos nos últimos meses, finalizamos e percebi que era mais importante do que eu imaginava. Tudo fez mais sentido ainda no dia da entrega, ao ver tanto os jovens quanto as professoras felizes e animados com o que tínhamos entregado”, afirma. Quando questionada sobre o que irá levar para o dia a dia, ela comenta que foi o aprendizado de sair fora da caixa, ir adiante e olhar para as pessoas e espaços ao seu redor. Também os ensinamentos sobre compromisso, confiança, o trabalho em equipe, as novas amizades e sobre confiar mais em seu potencial.

Beatriz ainda compartilha que as orientações e necessidades que tiveram sempre foram supridas e um processo de criação livre para experimentar diversas formas de dialogar com espectador, seja por meio de livros, histórias, texturas, emoções, informações, entre várias formas de interagir.

A professora Fábia ainda explica que a iniciativa ajuda o aluno a se expressar de diversas formas e isso contribui diretamente na produção nos projetos. “Cada um tem o direito de brincar de seu jeito. Vejo que é interessante no momento que as pessoas estão conectadas para criar reflexões, para que as pessoas possam interagir e se relacionar de uma forma mais liberta. Não entregamos apenas um papel impresso, quando fazemos um livro. A gente entrega uma parte de nós para eles”, afirma e esclarece que a AACD possui o lema que: Não faço por você, mas com você. A professora reforça sempre que o projeto estimula a atitude colaborativa dos participantes.

Projeto-Brincar-2-Reduzida
Parte da produção dos brinquedos exposta na biblioteca do Centro Universitário Senac – Santo Amaro no final de setembro deste ano. (crédito da imagem: Susana Sarmiento)

“O brincar na construção das próprias regras, o brincar na elaboração de seus valores. O olhar para outro com empatia. Nós não estamos somente interessados em criar produtos. Queremos criar uma experiência inovadora algo que fará diferença”, define a professora.
No primeiro ano de atendimento ao Lar Escola AACD, o grupo desenvolveu 23 jogos multissensoriais, no segundo a biblioteca itinerante com livros em temas diversos e o Kit copa 2018 e no terceiro será entregue as quatro estações como um recorte do espaço construído trazendo aromas, sabores, cores, texturas, movimentos e desafios. O Lar Escola AACD é uma escola certificada de fundamental 1, ensinam através de projetos, atende adolescentes de 11 a 17 anos, cadeirantes com paralisia cerebral.

Brinquedoteca Brasil

Após tantas experiências para atender diferentes organizações, Fábia irá desenvolver próximo ano a Brinquedoteca portátil totalmente replicável, com materiais de fácil acesso, simples manuseio e baixo custo, para o parceiro que incentivou e proporcionou o projeto até aqui. Desta vez o Projeto Brincar será direcionado ao próprio Senac e disponibilizado para quaisquer unidades em todo Brasil. Ela já desenvolveu as primeiras ideias para organizar o fluxo do projeto, fez reuniões com alunos interessados presencialmente, além de web conferência para alunos de curso EAD. Convidou colegas professores para integrar a equipe, além de se aproximar a outros projetos de extensão, trazendo esses para Brincar junto.

Clique aqui para conhecer mais sobre o Projeto Brincarhttps://goo.gl/ro78NW