Prêmio a jovens empreendedores e ambientalistas

A competição é um dos principais prêmios da ONU de jovens com grandes ideais para solucionar os principais desafios ambientais.

Foto de uma parte do Planeta Terra e no fundo o sol iluminando.
As inscrições serão submetidas a um júri global encarregado de selecionar sete vencedores de África, Ásia e Pacífico, Europa, América Latina e Caribe, América do Norte e Ásia Ocidental. (crédito da imagem: divulgação)

O Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA) promove prêmio Jovens Campeões da Terra 2020. Reconhece empreendedores ambientais com idade entre 18 e 30 anos com ações para solucionar os principais desafios ambientais do planeta. As inscrições estão abertas até 10 de abril.

Serão selecionados sete vencedores, de sete regiões do mundo, que receberão financiamento inicial para investir em seus projetos, além de orientações e oportunidades para participar de reuniões de alto nível da ONU e compartilharem suas inovações com o mundo.

O PNUMA busca apoiar jovens com visão, que reconhecem a gravidade da crise ambiental global e têm coragem para encontrar soluções inovadoras — muitas vezes utilizando a própria natureza — para construir um planeta mais saudável.

Os vencedores das edições anteriores do prêmio Jovens Campeões da Terra lideraram ideias ousadas e corajosas para abordar questões ambientais críticas e os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável por meio das inovações de alta e baixa tecnologia.

As inscrições para o prêmio Jovens Campeões da Terra serão submetidas a um júri global encarregado de selecionar sete vencedores de África, Ásia e Pacífico, Europa, América Latina e Caribe, América do Norte e Ásia Ocidental.

Entre os campeões e campeãs de 2019 estão uma biotecnóloga brasileira, que viabiliza o acesso à água potável e segura por meio de um filtro que purifica a água da chuva coletada por cisternas instaladas em áreas rurais.

No ano passado, dos cinco finalistas pela América Latina e Caribe, três eram do Brasil: Anna Luisa Beserra, que foi uma das vencedoras globais, Bernardo Andrade, idealizador da Casa do Semiárido, e Bárbara Schorchit, criadora da iniciativa Genecoin.

Além destas três propostas da etapa regional, um jovem brasileiro também concorreu pela Europa: Felipe Villela, fundador da iniciativa holandesa reNature.

Acesse o site da iniciativa: https://www.unenvironment.org/youngchampions/pt-br