Palestrantes defendem que diversidade de profissionais contribui para saídas inovadoras em empresas

 

Crédito Clóvis Fabiano

Inovar e buscar financiadores para ideias criativas foram os temas centrais da palestra A inovação aberta e o capital de risco corporativo, na tarde da terça-feira (22 de setembro), no primeiro dia da Conferência Ethos 360°, organizado pelo Instituto Ethos. Para ter uma conversa bem diversa, participaram: Marcelo Frontini, diretor departamental da área de pesquisa e inovação do Banco Bradesco; Marcelo Nakagawa, diretor de Empreendedorismo da FIAP e professor de empreendedorismo da FIA, do Insper e da Fundação Vanzolin; Peter Seiffert, líder da área de Corporate Venture Capital da Embraer S.A.; e Silvia Valadares, chefe da comunidade de startups da Microsoft Brasil.

Crédito Clóvis Fabiano

O professor da Insper foi o primeiro a falar e traçar o cenário deste movimento no Brasil. Como docente, ele ressaltou que essa perspectiva começou com o livro The Innovation Dilemma – When new Technologies cause great firms to fail, em que fala o porquê uma empresa poderia investir em um grande negócio para trabalhar com inovação. “É importante ressaltar que rede Hilton faturou 34 milhões no último ano, enquanto o Airbnb arrecadou 25 bilhões. Por outro lado, temos a Sony com slogan Like no Other, enquanto a Go Pro segue o lema Be a Hero. Duas empresas que enxergam mercados diferentes. Sony segue a indústria da fotografia, enquanto a outra empresa investe na egografia”.

Crédito Clóvis Fabiano

O professor ainda recordou que a Coca-Cola investe no Spotify por optar em um mercado de estilo de vida. Já a Natura também irá atender outra parte de mercado. Não só cosméticos. Em setembro do ano passado, a empresa mudou seu estatuto e irá comercializar chips de celulares, segundo o palestrante. “São dois milhões de consultores que precisam se comunicar e será um canal de comunicação. É um caso de abertura de oportunidade, de inovação de customer job”.

Já Peter Seiffert ressaltou que a sociedade vive a internet das coisas. “A presença de aceleradoras, inteligência artificial, a convergência aliada com o ecossistema, acompanhado com geração de emprego. O mercado não consegue responder à altura. Por isso, se adapta à força institucional. É importante se associar aos empreendedores, porque tanta gente engajada consegue gerar resultados em pouco tempo”.

Corporate venture capital foi outro tema apresentado pelo especialista da Embraer, que se trata de investimento de fundos corporativos diretamente em empresas iniciantes externas, em que uma grande empresa tem uma participação acionária em uma empresa pequena inovadora ou com um especialista, para contribuir com sua vantagem competitiva específica. “Comprar essa participação monetária se torna mais forte. Hoje são mais de 1200 iniciativas”, compartilhou o líder da área de Corporate Venture Capital da Embraer S.A. Ele ainda contextualizou o desenvolvimento de ecossistema e fornecedores de base tecnológica. Peter ainda sugeriu que esse mercado focasse em empresas nacionais dos seguintes setores: aeronáuticos, defesa e segurança, e integração de sistemas.

“Imagina um banco de 72 anos repensar o modelo mais forte no ano passado em qual seria o papel do banco”, enfatizou Marcelo. O diretor da área de pesquisa e inovação apresentou o Programa de Inovação Aberta, conhecido como InovaBRA, que possui o objetivo de acelerar inovações na organização. Ele valorizou o papel das starups em serem uma das principais fontes de inovadores disruptivas. Foram mais de 500 inscrições com foco na atuação do banco. Foram selecionadas oito propostas para contribuir em solucionar problemas do banco com seus clientes.

Silvia Valadares perguntou ao público: “O que estamos buscando? O que eles podem trazer para mim? O problema muitas vezes é uma solução”. Ela é responsável por analisar as startups que passam por sua empresa. Já avaliou mais de seis mil, sendo que 95% é composta por homens. “Em geral, são jovens e podem agregar muito”, sinalizou.

A chefe da comunidade de startups da Microsoft Brasil também questionou como está a situação de gestão de recursos humanos dentro das empresas, já que observa que muitos profissionais saem das organizações para abrirem seu próprio negócio e o programa de diversidade dos funcionários. “Observo que as organizações estão cada vez mais qualificadas com profissionais do sexo feminino e perdem essas mulheres por questões culturais”, atentou. Silvia ainda ressaltou que as empresas buscam saídas inovadoras com atores externos e não com os próprios funcionários.

Marcelo Frontini enfatizou que o InovaBRA faz ciclos com cinco a seis startups. Quando uma empresa define uma inovação tão diferente, ele defendeu que as pessoas só mudam pela dor ou pela questão de enxergar oportunidades. “Há uma grande dependência com os consultores. Nunca acharam distribuição em larga escala com os pontos de contato, com dados e oportunidades”.

O professor Nakagawa também ressaltou que inovação é redução em custos dentro as organizações. “Ainda há bastante oportunidades e essa época de crise é quando tem mais inovações”, afirmou.

Já Silvia defendeu a importância de um programa de diversidade dentro das organizações para valorizarem os potenciais femininos que podem levantar boas propostas. “Ainda é difícil encontrar boas desenvolvedoras mulheres”, observou. Na opinião dela, as empresas podem ser atores responsáveis por articularem nas pontas, olhar com atenção quem está dentro da organização.

O evento

Nos dias 22 e 23 de setembro, a Conferência Ethos 360° reuniu diferentes especialistas da área de responsabilidade social, de empreendedorismo e de negócios inovadores e sustentáveis. Com um formato diferenciado, todos os debates dividiram um amplo espaço sem paredes. Os participantes tinham que usar fone de ouvido e sintonizar na palestra de seu interesse. Os temas abordados nos debates foram: integridade, combate à corrupção, progresso social, desenvolvimento, diversidade, liderança, conservação do meio ambiente, juventude, gênero, ações colaborativas, big data, inovação, captação de recursos, resíduos sólidos, entre outros. Confira aqui: http://www.ce2015.org/


Site da Conferência Ethos 360°: http://www.ce2015.org/

Confira cobertura do Portal Setor3:

Apesar da crise, diferentes especialistas defenderam boas oportunidades para empreender na Conferência Ethos 360°

Juca Kfouri debate corrupção no futebol com outros convidados na Conferência Ethos 360º

Iniciativa de empreendedorismo social contribui para indústria têxtil mais sustentável

Desemprego entre jovens provocará prejuízos a longo prazo , segundo especialistasna ConferênciaEthos 360°

Representante da Walt Disney Company contou como incentivar e inspirar pessoas em prol da sustentabilidade na Conferência Ethos 360°

Diretor do Pnuma fala sobre a agenda de desenvolvimento pós-2015

Abertura da Conferência Ethos 360° ressaltou a intolerância em diferentes situações de conflitos


Data original de publicação 28/09/2015