Painel aborda questão de gênero para contribuir com desenvolvimento das marcas de empresas

espe-topo-sustainablebrands“Precisamos falar com os homens? Uma jornada pela igualdade de gênero” é o nome do documentário de uma iniciativa conjunto entre PapodeHomem e ONU Mulheres , viabilizada pelo Grupo Boticário. A ideia é mostrar como o homem pode contribuir com o movimento pela igualdade de gênero. Assista aqui: https://www.youtube.com/watch?v=ZJ64IPTAMSU

Para ilustrar esse debate, o segundo debate do Sustainable Brands Rio 2016 foi Porque Mulheres? Para responder essa questão, participaram diferentes mulheres atuantes na gestão de organizações grandes e segmentadas e o fundador do portal PapodeHomem no início da tarde do primeiro dia de evento (21 de junho).

espe-interna-deniseitauunibanco
Denise mediou a conversa sobre a importância da mulher

Denise Hills, superintendente de sustentabilidade e negócios inclusivos no Itaú Unibanco, mediou a conversa e já perguntou Porque Mulheres? aos participantes. A mediadora respondeu que a mulher é, em geral, apaixonada, indignada e corajosa. Isso contribui para ser uma força motriz nos projetos em que esta profissional se envolve. “35% dos sustentos dos lares brasileiros são feitos por elas. Somos essenciais”.

Renata Puchala, gerente de marketing da Natura, já pontuou que as mulheres contribuem para tornar o mundo mais belo, com cuidados e menos conflituoso, com a poesia da alma feminina dentro dessas profissionais.

O único homem era Guilherme N. Valadares, fundador do portal PapodeHomem, comentou sobre a importância de uma engenheira da área de inovação da empresa de carros Volvo, ela foi responsável por criar o primeiro boneco teste simulando mulheres grávida. “Esse é um exemplo concreto do que pode acontecer”, ressaltou o palestrante sobre a importância do olhar feminino.

Karla Brandão, vice-presidente de relações corporativas da HEINEKEN Brasil, ressaltou a necessidade de falar sobre tabus e tradições, que precisam ser quebrados. Seu mercado de cerveja é visto como masculino, mas tem participação considerável de mulheres como consumidoras. Já a ex-jogadora de Vôlei Jackie Silva comentou que é bom ter os dois olhares para o lado masculino e feminino.

Sobre a questão do empoderamento feminino, Renata falou sobre a importância do investimento nas mulheres por resgatar a potencialidade que ela possui, como herança do cuidado e da autoestima. Também comentou que as mulheres contribuem demais nas decisões familiares. “Elas preferem investir mais na educação de seus filhos e investem até 10% no setor de qualidade de vida. Não dá para pensar em desenvolvimento sustentável sem incluí-las”, analisou e recordou que observando o trabalho das comunidades da Amazônia e as mulheres têm presença predominante. Após 10 anos de projeto, elas auxiliaram na criação de associação e atividades de geração de renda.

espe-interna-porquemulheres1
Guilherme, do PapodeHomem, foi o único homem e ressaltou a masculinidade tóxica

Adriana Gryner, empresária e fundadora da agência LG Ventura, comentou que numa boca de fumo de uma comunidade do Rio de Janeiro três jovens controladoras desse espaço tiveram a ideia e conseguiram fazer o “14º salário”. Esse comentário exemplifica as ideias inovadoras de mulheres. No projeto TemQuemQueira, ela observou que as integrantes compravam máquinas e já possuem seus próprios empreendimentos. A iniciativa é uma empresa social que promove uma chance a quem precisa, capacitando e gerando renda a partir da produção de peças com design arrojado e feitas de reaproveitamento de lonas vinílicas de publicidade e ações promocionais. “As mulheres fazem mais segunda chance do que o homem. Há um resgate da autoestima e dela ser mãe. Em sua segunda chance, a mulher envolve toda a família e reduz a reincidência para o crime, já que se cometerem outro crime irão perder os filhos e a família. Ela é uma catalisadora do bem”, pontuou.

“Sempre pensei era tudo igual”, confessou Jackie. Nas Olimpíadas, ela observou muitas coisas eram feitas para homens, sendo que já haviam grandes mulheres atletas. “Na minha família, as mulheres são mais fortes que os homens”, afirmou.

Jackie compartilhou uma situação de um treinador que maltratava atletas os meninos de sua equipe. Ela observava e ficava com raiva. Ela defendeu a importância de todos se respeitarem de forma igualitária. Apresentou ao público um vídeo da EspnW Brasil chamado Invisible Players. “Os homens estão perdendo. Eu recebi para ser comentarista por ser mulher, ver o esporte de forma diferente e tem opinião. Gosto dessas misturas e tem que aproximar todos”, opinou.

Karla comentou que o mundo da cerveja é desafiador por ter muita presença de homens e a equipe de marketing de sua empresa procura falar de uma forma diferente e promovem discussões diferentes em suas propagandas. “O homem daqui e da América Latina em geral parece que está um pouco perdido. A gente procura trabalhar a mensagem de forma natural para esse homem e mulher e forma igualitária. Acredito que todos precisam ser respeitados. “O que vai levar o consumidor a entender de maneira segura e correta e tem a ver com a escolha”, ressaltou.

Guilherme contou que em um evento conversou com um homem madura e executivo e ele soube do projeto do documentário e perguntou: “Mas isso está resolvido, né?”, disse. O fundador do portal falou da masculinidade tóxica ainda tão presenta em muitos homens. “Ela é formada por uma camada bem agressiva, insegura, agressiva e ansiosa se terem por serem homens. O Brasil é um dos países que mais tem homossexuais e assédio sexual”. Sugeriu ao público assistir ao documentário The Mask You Live In. Ele defendeu que é necessário a ressignificação do homem e esse entendimento toma tempo. “Eu tinha uma visão bem machista e depois entendi isso. Foram anos de caminhada e várias conversas. Hoje sou um grande defensor do diálogo e de acolher”.

O evento

Em sua quarta edição, o evento reuniu pessoas e empresas envolvidas com a incorporação da sustentabilidade em seus projetos de negócios. O tema central foi Activating Purpose (em tradução livre, Ativando Propósitos), um dos principais temas hoje em dia, sobre como: criar vínculos com indivíduos, grupos e coletividades que permitam gerar coerência e engajamento para a realização de negócios no presente e no futuro. A programação ofereceu workshops, palestras e arenas de debates voltadas para a sustentabilidade e temas gerais, como: alimentação, moda, transportes, modelos de negócios e de produção, novos meios de comunicação, colaboração e o novo mundo do trabalho.


Serviço:

Site: http://events.sustainablebrands.com/sb16rio/

Confira cobertura completa:

Cultura digital, postura colaborativa e mudança de valores contribuem para engajar pelo propósito, segundo especialistas

Painel Moda Sustentável reúne diferentes especialistas para falar sobre tendências e desafios nesse segmento no Sustainable Brands Rio 2016

Especialista em relações governamentais fala como as empresas estão construindo suas marcas sustentáveis num cenário de crise

Consultores da CAuSE explicaram o que é engajamento das causas sociais, como se dá hoje, os elementos e princípios norteadores

Plenária aborda formas como impulsionar propósito coletivo na Sustainable Brands Rio 2016

O propósito das empresas foi o tema central da abertura do Sustainable Brands Rio 2016 no Rio de Janeiro

Workshop ressalta campanhas publicitárias voltadas para engajar público consumidor


Crédito do texto: Susana Sarmiento
Crédito das imagens: Divulgação
Data original da publicação: 29/06/2016