Mulheres pela Biodiversidade

Série de reportagens mostra histórias de mulheres que lutam pela preservação da biodiversidade brasileira.

Foto de mergulhadora com mero de cerca de 150 kg em naufrágio no fundo do mar pernambucano. cerca de 150 kg em naufrágio fundo do mar pernambucano.
Última reportagem da primeira temporada da série foi publicada no Dia da Mulher (08/03). (crédito da imagem: João Marcos Rosa)

O canal National Geographic Brasil publica reportagens da série Mulheres Na Conservação no site. A última foi feita pela jornalista chilena e especialista em meio ambiente, Paulina Chamorro e o fotografo João Marcos Rosa, que conta em detalhes a história de cinco mulheres conservacionistas que dedicam suas vidas à preservação da biodiversidade brasileira.

A quinta e última matéria da primeira temporada apresenta Flavia Miranda, que lidera estudos sobre o tamanduaí, o menor dos tamanduás e também o mamífero mais antigo da América Latina. Flávia atua na Área de Proteção Ambiental Delta do Parnaíba, local entre a Mata Atlântica e Amazônia que abriga diversas espécies que necessitam de proteção, como preguiças e tatus.

A série começa com a pesquisadora Neiva Guedes, que mostra como a paixão e trabalho de mais de 30 anos pelas araras-azuis foi capaz de salvar à espécie da extinção. Na sequência, Paulina e João viajaram para o litoral do Pernambuco para acompanhar e conhecer o projeto de vida da bióloga e mergulhadora Beatrice Padovani, que trabalha junto com pesquisadores e cientistas para evitar que os gigantes meros e os ecossistemas onde eles vivem desapareçam.

A terceira reportagem é sobre a Patrícia Médici, que trabalha há 30 anos estudando as antas e criou, praticamente do zero, o maior banco de dados sobre o mamífero. O trabalho de Patrícia é reconhecido no mundo inteiro, que foi reconhecido por meio de diversos prêmios. Em 2019, ganhou o Buffett Award for Leadership in Conservation, da National Geographic Society, por conta do trabalho realizado nas matas do Pantanal com as antas.

Já a quarta história é a da Karen Strier, americana apaixonada pelo Brasil que se embrenha na Mata Atlântica para estudar e preservar o macaco muriqui – considerado o maior das Américas – mas que é criticamente ameaçado de extinção. Seu trabalho consiste em observar, reconhecer e estudar a espécie, se o número de animais aumentou consideravelmente nos últimos anos.

Conheça essas histórias no site da National Geographic Brasil: https://bit.ly/3aNfzUu