Mobilização apoia povos da floresta Amazônica

Movimento possui meta inicial de R$ 6 milhões que serão destinados para o Alto Rio Negro e Baixo Amazonas, Vale do Javari e Yanomami.

Ilustração com imagens de indígenas no mapa do Brasil a texto: União Amazônia Viva - Não temos Tempo a Perdes Ajude a combater o Covid-19 na Amazônia - Doe Agora: uniaoamazoniaviva.com
A situação de vulnerabilidade social e a distância aos centros com infraestrutura médica definiu a urgência da iniciativa. (crédito da imagem: divulgação)

Os povos indígenas e as comunidades tradicionais da Amazônia apresentam índices de mortalidade 150% maior do que a média geral do Brasil. Para agir nessas regiões mais afetadas pela pandemia, um grupo de voluntários da sociedade civil se uniu para a criação de um fundo com objetivo de arrecadar R$ 6 milhões para apoiar ONGs que atuam no enfrentamento da pandemia no Alto Rio Negro (AM), Baixo Amazonas (PA) e junto aos povos do Vale do Javari (AM) e Yanomami (AM e RR). 88 mil pessoas estão sendo beneficiadas pelo movimento, que já arrecadou R$ 1,2 milhão antes mesmo do lançamento do site.

Até 1 de julho, 9.983 indígenas haviam sido infectados pela Covid-19, no Brasil. Já são 405 óbitos em 121 povos. Os dados são da Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (Apib), compilados pelo Instituto Socioambiental (ISA) na plataforma de monitoramento COVID-19 e os Povos Indígenas: covid19.socioambiental.org

Lançado oficialmente em 03 de julho, a campanha de doação pode ser acompanhada pelo site da iniciativa: www.uniaoamazoniaviva.com. Todo o dinheiro arrecadado será investido em duas frentes: proteção à saúde (enfermarias de campanha, compra de EPIs, equipamentos hospitalares, testes rápidos e remoções por barcos locais e aviões); e apoio às comunidades (segurança alimentar, itens de higiene e campanhas informativas).

O fundo irá beneficiar quatro organizações que acumulam décadas de trabalho consolidado na Amazônia: a FOIRN, Expedicionários da Saúde (EDS), Instituto Socioambiental (ISA) e Projeto Saúde & Alegria (PSA). A escolha das instituições foi definida por atuarem nos territórios priorizados e já possuírem planos de ação emergencial.

O movimento conta com o apoio de diversos nomes da classe artística e empresarial brasileira, como Gisele Bündchen, Sebastião Salgado, Caetano Veloso, Camila Pitanga, Céu, Débora Falabella, Fernando Meirelles, Gaby Amarantos, Guilherme Leal, Armínio Fraga, Ilona Szabó, Raí, Taís Araújo e Thainá Duarte, entre tantos outros. A lista dos apoiadores pode ser conferida no site.

O fotógrafo Sebastião Salgado compartilhou 14 imagens inéditas de seu acervo para dar luz à campanha. Em vídeo produzido pelo cineasta Fernando Meirelles, Salgado reitera a emergência do enfrentamento da Covid-19 na Amazônia.

A gestão financeira é feita pela SITAWI Finanças do Bem, organização financeira com foco em impacto social, referência em gestão de fundos filantrópicos e socioambientais. O site tem versão em inglês para facilitar doações vindas de fora do Brasil.

As doações podem ser feitas pelo site www.uniaoamazoniaviva.com, em qualquer valor.