Laboratório de Inovação pretende aproveitar integralmente alimentos

Grupo Carrefour e Gastromotiva criam espaço dentro do Refettorio Gastromotiva com foco na inovação dos alimentos.

laboratorio-de-inovacao-Reduzida
Inaugurado no início da semana passada, o projeto pretende inovar no movimento de transição alimentar e inclusão social. (crédito da imagem: divulgação)

Imagina um espaço para pensar e experimentar diferentes receitas de aproveitamento total dos alimentos? Esta é a proposta do Laboratório de Inovação da Gastromotiva, uma proposta do Grupo Carrefour Brasil com a Gastromotiva, organização social que usa a gastronomia social a favor da inclusão e sustentabilidade por meio da educação e profissionalização. A ideia é implementar para próximo mês dentro do restaurante escola Refettorio Gastromotiva, localizado no bairro da Lapa no centro do Rio de Janeiro.

Para implementação desta iniciativa, houve a aprovação do investimento de cerca de 320 mil euros pela Fundação Carrefour. O objetivo central desse espaço é se dedicar ao estudo e desenvolvimento de receitas a partir do aproveitamento integral dos alimentos. Além do investimento financeiro, a empresa também oferecerá a curadoria no desenvolvimento de uma linha de produtos que será comercializada pela instituição. A Fundação ainda renovou o apoio a dois projetos iniciados em 2015, com foco na educação e formação de jovens e adultos na difusão de gastronomia social.

Paulo Pianez, diretor de sustentabilidade do Carrefour Brasil, explicou que no início deste ano a empresa lançou documento Carrefour 2022, um plano de transformação em que um dos principais objetivos da nova estratégia global é liderar a chamada transição alimentar, em que a empresa pretende permitir que seus clientes consumam melhor, alimentos de maior qualidade, segurança e com responsabilidade socioambiental. “Toda essa mudança acontece atualmente em nossos hábitos. Trata-se da forma como nós consumimos e como nos comunicamos. De nada adianta toda essa transformação, se não alterarmos o alimento em si. Isso vem de uma exigência de nós consumidores”, aponta.

Ele ainda explica que cada vez mais o consumidor quer saber dá onde vem esse produto, se ele é seguro, se apresenta todos os aspectos nutricionais, se não vem de uma área de devastação ambiental e se o processo de fabricação dele tem uma cadeia justa e não de trabalho escravo. “O alimento hoje assumiu mais do que um simples ato de você comprar ali”. E ainda complementa: “A comida de hoje será diferente da comida do amanhã”.

Paulo ainda fala que a preocupação é seguir uma produção ética socioambientalmente justa, de combate ao desperdício, com alimentos orgânicos, alimentação saudável e produção agroecológica. “Queremos ter produtos cada vez mais frescos. A alimentação hoje assume um papel social gigante”. Ainda contextualiza o novo espaço: “O Laboratório de Inovação é praticamente uma startup no âmbito da gastronomia para pensar na alimentação do amanhã”.

A iniciativa foi desenvolvida pela equipe da Gastromotiva e do Carrefour, um processo de cocriação. “Aqui na empresa, nós temos diferentes profissionais que pensam nas embalagens ambientalmente responsáveis, na perspectiva de segurança alimentar, na distribuição desses alimentos e como se comunicar melhor”, esclareceu Paulo. Já a Gastromotiva irá abordar o conhecimento que possuem sobre gastronomia como agente social. A previsão é que iniciativa comece no próximo mês.

A empresa pretende comercializar uma linha de produtos com alimentos reaproveitados, como produção de geleias, cookies, bolos, sopas, molhos, conservas a partir de partes de alimentos que costumem ser eliminados. O diretor de sustentabilidade do Carrefour Brasil esclarece que os produtos serão elaborados sem conservantes, com uso equilibrado de açúcar, sódio e gordura, e temperos naturais. Até o fim do ano, as receitas desenvolvidas nesse espaço passarão por um processo de seleção e cinco delas vão integrar uma nova linha exclusiva de produtos alimentadores com a marca Gastromotiva. “A ideia é de que façamos uma linha de produtos naturais, nutritiva e saborosa, na perspectiva de aproveitamento de alimentos”.

Paulo observa que as organizações em geral estão trabalhando com a questão alimentar como causa. Já a proposta do Laboratório é atuar na perspectiva da transição alimentar. “Não basta distribuir os alimentos. É necessário fazer a produção deles com um olhar de alimento seguro, ético e sustentável”.

Conheça aqui a proposta do Refettorio Gastromotiva no Rio de Janeiro: http://www.refettoriogastromotiva.org/