Jovens empreendedoras sociais mostram seus negócios e como debatem gênero na tecnologia

ultnot-topo-socialgoodbrasilJovens e empreendedoras foram as principais painelistas do debate Empoderamento Feminino: O que a tecnologia tem a ver com isso? Dentro da programação do Seminário Social Good Brasil 2015, que ocorreu entre os dias 12 e 13 de novembro no Centro Integrado de Cultura, em Florianópolis (SC).

Para mostrar as soluções de mulheres para problemas sociais, esse painel trouxe Anielle Guedes, da Urban 3D e Camila Achutti, idealizadora do Blog Mulheres na Computação e é uma das líderes do movimento por igualdade de gêneros no mercado de tecnologia da informação (TI). Para mediar essa conversa, participaram: Fernanda Bornhausen Sá, empreendedora social e integrante do comitê de conselho do Social Good Brasil, e Sam Shiraishi, do Blog A Vida Como a Vida Quer.

espe-interna-empreendedorasmulheres“Somos a primeira geração que pode eliminar a pobreza extrema pelo empoderamento feminino”, defendeu Fernanda Sá no início da conversa. Ainda ressaltou que em 2000 não havia tanto poder a conectividade. Disse que o quinto indicador dos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS) é o que mais privilegia o empoderamento feminino. “Cada um pode contribuir com a igualdade de gênero”.

Aniele explicou sua atuação com experiências para construção de prédios por meio de impressoras 3D, que influencia outros jovens e mulheres. Ela pretende reduzir o déficit habitacional mundial. Ela comentou que há tecnologias exponenciais da construção civil que podem contribuir para essa causa. Com apenas 23 anos, ela já fez um documentário sobre educação alternativa e criou a startup Urban3D, voltada para desenvolver materiais e tecnologias para tornar a construção de casas mais rápida e barata.

“A tecnologia pode ser usada de diversas formas. É preciso ter uma visão mais compreensiva. Se a mulher pensasse na construção de ruas e prédios, as ruas seriam mais iluminadas, por exemplo. Todas nós somos usuárias e a gente costuma dizer que só é meio”, afirmou.

Já Camila contou como foi a ideia para criar o blog e seu engajamento para incluir a questão de gênero no mercado de TI. No primeiro dia de aula na faculdade de ciências da computação ela já teve a ideia de criar o blog Mulheres na Computação. Conseguiu que mais meninas acessassem seu canal e mostrar que a tecnologia pode transformar a vida delas e até ajudar as pessoas. O movimento aumentou e conseguiu apoio financeiro da Fundação Lemann para as meninas se tornarem empreendedoras de fato. “Essa menina pode transformar o mundo e contaminar outras pessoas. Ela pode ser sim uma programadora”, esclareceu a jovem.

espe-interna-camilaachuti
Camila Achutti, idealizadora do blog Mulheres na Computação

Sam comentou que a mulher assume muitos papeis sociais ao mesmo tempo. “É possível encontrar uma nova técnica. Atualmente há condições de viver muito tempo, ter uma longa vida e até mais produtiva”, defendeu.

Serviço:

Confira aqui os conteúdos dos debates no blog do Seminário Social Good Brasil 2015: http://socialgoodbrasil.org.br/postagens/blog
Blog Mulheres na Computação: http://mulheresnacomputacao.com/
Blog A Vida Como a Vida Quer: http://www.avidaquer.com.br/
Site do Urban3D: http://www.urban3d.co/


Data original de publicação: 23/11/2015