Plenária final do Congresso GIFE reuniu propostas finais de investimento social privado

12932866_1323854890961864_4232231519572641584_nOlhar para frente e ver o que há de proposições para a área de investimento social privado foi o lema da Plenária de encerramento: proposições para o presente do 9º Congresso Gife na Fecomercio na última sexta-feira (1º de abril). O conteúdo central desse plenária foi o que foi produzido e levantados nas atividades da manhã O investimento social no Brasil que podemos com governo, organizações e empresas.

Andre Degenszajn, secretário-Geral do GIFE, falou e apresentou a websérie chamada Comum que dissemina as oito agendas estratégias do GIFE. São temáticas para fortalecer e legitimar o investimento social privado (ISP) como setor e direcionam a atuação da instituição até 2020. Possui oito capítulos, um para cada agenda, e vai discutir esses temas por meio de uma linguagem simples e com depoimentos de especialistas das áreas. Todas as quintas nas próximas semanas serão publicadas.

14569O 9º Congresso Gife reuniu 18 sessões, com 58 desafios mencionados, sendo que 14 apareceram em mais de uma seção e os mais centrais propostos: inclusão do outro, diversidade e diferenças e avaliação.

Para mostrar a relação do ISP com as empresas, Beatriz Azeredo, diretora de responsabilidade social da TV Globo e professora adjunta do Instituto de Economia da Universidade Federal do Rio de Janeiro, trouxe o que foi levantado na atividade da manhã e organizou em 10 pontos. As questões levantadas foram: responsabilidade social interna (geração de lucros de forma responsável); manter o compromisso ISP nos dias de hoje apesar da crise econômica; transparência (relatórios ainda não são usados como ferramentas de aprendizagens); estudo quantitativamente do retorno das ações sociais; perspectiva de resultado de mudanças estruturais; o poder do financiador; fortalecimento da sociedade civil (avanços na prática de doação, por exemplo); assumir riscos e investimento em causas minoritárias (gênero, raça, sistema prisional, entre outros temas). “Acredito que cada um pode trabalhar em seus espaço ao escolher um tema e que tenha relação com a causa que você atua”, pontuou.

14570
Beatriz Azeredo, diretora de responsabilidade social da TV Globo

Do lado do governo, Denis Mizne, diretor executivo da Fundação Lemann, trouxe as proposições e questões levantadas na atividade da manhã voltada para governo. Reforçou que muitas organizações e institutos que atuam no ISP fazem a atuação do Estado. Também comentou que a sociedade civil organizada com poucos recursos para fortalecimento institucional das organizações junto ao Estado se se também pensar nas agendas que precisam ser feitas. “Nosso papel não é só trazer o papel. Há um tempo de investimento nas ações sociais desses atores para soluções políticas públicas e não nos projetos delas”, compartilhou.

14571O advogado ainda ressaltou que as práticas desses atores possuem dificuldade para medir seu trabalho para permitir um salto de qualidade. “Se for capaz de pensar de forma estratégica, de não levar a ideia pronta, realmente o diálogo, não limitando a uma organização para também tentar resolver aqueles problemas específicos”, disse. E ainda complementou: “No momento crítico, o mais importante é valorizar e abrir mais conversas, construir respostas para problemas brasileiros e acho que o processo de resolução é mais efetivo assim”.

Marcelo Furtado, diretor-executivo do Instituto Arapyaú, falou das propostas identificadas pelo grupo que focou sua conversa em O Investimento Social Privado que Podemos com organizações da sociedade civil. Ele resumiu em alguns tópicos: controle no sentido de compliance (o recurso está sendo bem utilizados para atingir o objetivo da organização), clareza de papeis, confiança e compromisso conjunto, a questão do poder do investidor, o risco (confronto de empresas para assumirem riscos), resultado com compromisso, transparência e honestidade, liderança (falta a posição de liderança nesses espaços), entre outros pontos.14572

Ele ainda ressaltou a importância de quebrar a palavra política do público. “Se queremos o justo e igualitário, é importante termos política mais igualitárias e justas. Uma boa gestão prevê bons políticos. Lembro das duas palavras separadas para ver o que é bom ao público para ter depois”, concluiu.


Serviço:

Confira o site do evento: http://congressogife.org.br/2016/
Veja aqui cobertura dos debates: http://gife.org.br/

Confira a cobertura completa:

Em atividade prática, participantes falaram de desafios, atividades do dia a dia e diálogo entre atores do investimento social privado e organizações

Para garantir um jornalismo independente, é necessário ter independência financeira e diferentes modelos de negócios

Debate fala sobre papel e atuação de aplicativos e plataformas que contribuem na inovação da política

Presidente da Fundação Ford ressaltou a importância da honestidade nas relações entre atores sociais

Qualificação do debate político e fortalecimento de diálogo entre atores foram os pontos principais na abertura do 9º Congresso GIFE


Foto: Divulgação
Data original da publicação: 06/04/2016