Iniciativa apoia soluções inovadoras em turismo sustentável

Fundação mapeou as quatro principais demandas do setor para que propostas sejam cocriadas pela sociedade para atendê-las.

As perdas econômicas no turismo brasileiro em 2020 e 2021 totalizam R$ 161,3 bilhões, segundo levantamento feito pela FGV Projetos. Essa redução impacta especialmente artesões, guias autônomos e outros pequenos negócios que atuam nessa cadeia. Porém alguns especialistas já apontam que os destinos domésticos serão a principal opção aos brasileiros nos próximos anos. A Laboratório de Inteligência de Negócios em Viagens (TRVL LAB) indica que o turismo regional e rodoviário será o primeiro a retomar. Entre os destinos prediletos desses viajantes estão: o Nordeste, com 31,8% da preferência, as praias regionais (14%), a Serra Gaúcha (7,6%) e o Rio de Janeiro (6,7%).

O Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) divulgou em maio que o ecoturismo está cada vez mais presente na lista dos destinos preferidos dos turistas. Em 2019, as 137 Unidades de Conservação (UCs) federais receberam mais de 15 milhões de visitas, um aumento de 20,4% em relação ao ano anterior.

Com esse cenário, a Fundação Grupo Boticário pretende financiar em até R$ 2 milhões as melhores ideias para alavancar o turismo em áreas naturais no Brasil. Com o objetivo de contribuir com um dos segmentos mais impactos pela pandemia, a organização lança a 2ª etapa da “teia de soluções” – inscrição de soluções para buscar propostas inovadoras que coloquem a natureza no centro da atividade turística. As inscrições estão abertas até 16 de agosto.

A organização mapeou desafios que envolvem soluções para observar animais e plantas, novos modelos de negócios com o turismo de natureza no planejamento, inovações com melhores experiências ao turista e mecanismos para contribuir com o engajamento do visitante a favor da proteção do meio ambiente.

Dessa forma, quatro grandes áreas carecem de boas ideias, soluções inovadoras e recursos para alavancar esse setor responsável em áreas naturais do Brasil.

Para chegar ao diagnóstico, a instituição contou com a participação de 483 respondentes em todo o país, que apresentaram 553 desafios relacionados ao turismo em áreas naturais. Essa foi a primeira etapa da “teia de soluções”, um processo de cocriação lançado neste ano com o objetivo de envolver diversos atores da sociedade em busca de soluções que aprimorem o turismo de natureza no Brasil. Ao final de quatro etapas, as melhores propostas que aliam o turismo com a proteção da biodiversidade receberão, ao todo, até R$ 2 milhões para serem viabilizadas.

Podem participar qualquer pessoa com propostas e/ou ideias de negócio, aplicativos, pesquisas acadêmicas, produtos, serviços, protótipos, plataformas digitais, negócios já existentes, projetos de conservação, entre outros. Essas ações precisam estar relacionadas a um dos quatro desafios mapeados. Os candidatos precisam descrever a proposta em um questionário e justificá-la com dados, como estimativa de custo, escala de impacto e possibilidade de replicar a ideia em outras regiões do Brasil.

As melhores soluções serão desenvolvidas com acompanhamento on-line de consultores voluntários e especialistas da Fundação Grupo Boticário para que se tornem economicamente viáveis e replicáveis em grande escala. Ao final desse processo, na última etapa da “teia de soluções”, serão selecionadas as ideias a serem apoiadas.

Conheça aqui as informações sobre inscrição e regulamento na íntegra no site da organização: www.fundacaogrupoboticario.org.br