Impactos financeiros na pandemia: fome, trabalho infantil e mendicância

Estudo internacional mostra: 85 milhões de famílias na Ásia tenham pouco ou nenhuma comida estocada, enquanto 110 milhões de crianças sofrerão de fome como consequência da crise.

imagem de criança usando máscara e texto: Out of Time - as families incomes plummet, millions more children go hundrey and are forced to work and beg - Covid-19 aftershocks.
Os resultados mnostram que as principais vítimas da pandemia são famílias de regiões que já sofrem com conflitos, mudanças climáticas, e/ou já recebem ajuda humanitária. (crédito da imagem: divulgação)

84% das crianças migrantes venezuelanas relatam a queda na renda familiar para comprar alimentos; uma em cada três crianças migrantes vai dormir com fome; 85 milhões de famílias na Ásia têm quase nenhuma reserva de alimentos devido ao impacto da pandemia; e 110 milhões de crianças na Ásia já enfrentam fome. Esses são alguns dados alarmantes relatados na pesquisa Aftershoks: Out of Time, feito pela Visão Mundial, em que mostra as projeções globais para aumento da fome, violência e pobreza como resultados da crise desencadeada pela pandemia.

A análise da organização envolveu 14.000 famílias na Ásia, 2.400 pequenas empresas na África e quase 400 crianças migrantes na América Latina. A organização conseguiu realizar avaliações rápidas em 24 países da América Latina, África Subsaariana e Ásia. Os resultados confirmam que as projeções das agências globais sobre efeitos da pandemia já estão se manifestando.

Entre as crianças migrantes da Venezuela residentes no Brasil, Bolívia, Colômbia, Equador, Peru e Venezuela, 80% afirmam que suas famílias têm dificuldades em comprar alimentos.

O relatório da Visão Mundial alerta governos, agências das Nações Unidas, ONGs, doadores e o setor privado para agirem juntos na garantia da implementação de programas de proteção social com foco na infância, iniciativas para fortalecer cadeias produtivas e mercados, proteção do emprego e meios de subsistência e um investimento inclusivo para a recuperação e resiliência de economias sustentáveis.

Acesse aqui o estudo no site da Visão Mundial: https://bit.ly/3hgwaU3