IDIS faz cartilha com dicas para fazer um bom investimento social privado

10538Você já pensou em poder ajudar algum tipo de projeto com crianças, idosos, educação, saúde, ou meio ambiente? Como começar o investimento? Quanto é necessário e como você pode avaliar os resultados? Essas são algumas das dúvidas que passam pela cabeça de alguém que deseja fazer um investimento social privado. Pensando em direcionar e auxiliar os interessados nesse tipo de ação, o Instituto para o Desenvolvimento do Investimento Social (IDIS) elaborou um guia com dez dicas para um bom investimento social privado.

Diferente de uma ação filantrópica tradicional, que é baseada em uma doação como forma de compensação de uma situação de injustiça social, o investimento social privado promove ações para desenvolver a autonomia e cidadania. A ideia vai muito além de apenas assinar um cheque. O investidor procura avaliar os resultados e transformações geradas com a sua colaboração.

O investimento é privado porque resulta de recursos provenientes de pessoas físicas ou jurídicas que são alocados para o benefício do público, visando contribuir para o desenvolvimento social.

Confira as dez dicas apontadas pela cartilha:

1- Ter visão de futuro: O investidor social precisa estabelecer metas e os objetos que ele deseja alcançar com a sua ação.

2- Escolher um foco de atuação: Para obter um melhor resultado, aconselha-se que seja escolhida uma ação para focar, podendo aprofundar o conhecimento sobre o assunto e investir uma quantidade maior de recursos na atividade selecionada.

3- Ter um diagnóstico que valorize os talentos e recursos da comunidade: é necessário conhecer as necessidades do investimento social selecionado para conseguir formar uma visão de futuro madura.

4- Analisar e medir a taxa de retorno: para avaliar o investimento é de grande importância que o investidor leve em conta a taxa de retorno e risco da ação.

5- Assegurar a sustentabilidade da iniciativa: sem planejamento é difícil conseguir atingir resultados satisfatórios.

6- Ter uma atuação estratégica: O investidor social pode definir se ele vai atuar como um financiador ou como um gestor de projetos.

7- Ser catalisador: um bom investimento pode levantar estratégias para captar recursos.

8- Ser alavancador: conseguir outros parceiros externos e investidores pode ser uma boa saída para lidar com a complexidade dos problemas sociais.

9- Ser inovador: a inovação pode ser sempre uma solução para valorizar os talentos e recursos da comunidade.

10- Ser um provocador de mudanças: um bom caminho para ampliar a atuação é canalizar investimentos para a realização de programas em escala piloto.

Serviço:

10 dicas para um bom investimento social privado
Instituto para o Desenvolvimento do Investimento Social Privado.
Link: www.idis.org.br/biblioteca/notas-tecnicas/10-dicas-inv-social.pdf‎