Gerente do Programa Ceibal, do Urugai, explica desafios e avanços com a iniciativa de inclusão digital

 

Crédito da imagem Luciana Serra

Em 3130 escolas do Uruguai possuem computadores portáteis com alta conectividade. Esse foi um dos dados apresentados na palestra Universalização do Uso de Tecnologia na Educação dentro da programação do Transformar – A Educação está em Evolução, realizado pela Fundação Lemann, Inspirare/Porvir e Instituto Península e apoio da Futura, na terça-feira dia 25 de agosto, no Espaço Vila dos Ipês, na Vila Leopoldina, zona oeste de São Paulo. O palestrante foi Gonzalo Pérez, economista e gerente geral do Centro Ceibal do Uruguai.

Crédito da imagem Luciana Serra

O painel pretendeu mostrar o Plano Ceibal, em que começou em 2007 para reduzir a desigualdade social e os altos índices de exclusão digital. A ação teve inspiração na proposta da ONG One Laptop per Child (Um Computador por Aluno), criado pelo pesquisador do MIT Nicholas Negroponte. O Uruguai foi o primeiro país da América Latina a entregar computadores portáteis para cada um dos 300 mil alunos de ensino fundamental e médio das 2,3 mil escolas públicas de seu território. Todas as escolas possuem conexão à internet, as máquinas substituídas a cada quatro anos e o país aumento cada vez mais os centros comunitários de acesso ou wifi aberto.

“O programa não é apenas transferência de labtops a crianças, mas também nos preocupamos com a inclusão digital”, afirmou. Gonzalo ainda comentou que a maioria das escolas estão conectadas em internet banda larga. “Vimos que estamos preenchendo a lacuna da tecnologia digital e acelerando a pedagogia”, pontuou.

O economista compartilhou que os alunos de quarta até sexta série tinham aula de inglês pela internet: 33 mil em 2012 e no ano passado atingiu 82 mil. Atualmente esse número foi para 108 mil estudantes com 4730 aulas em 839 escolas. Ou seja, 91% das escolas da quarta a sexta série possuem tecnologia para contribuir com o processo de aprendizagem.

E como checar se esse sistema de tecnologia resulta em impacto positivos? O palestrante mostrou a plataforma de gestão escolar chamada CREA. Nessa ferramenta, houve um aumento de 165% de usuários e 246% de inscrições. Segundo o gerente geral do Ceibal, o CREA funciona como um Facebook. Também apresentou o Projeto LabTeD, que faz parte do Programa Ceibal, oferece laboratórios de tecnologias digitais para que os estudantes possam ter ambientes de aprendizagem colaborativo e de integração da tecnologia e o conhecimento para estimular o pensamento lógico e a criatividade. Dessa forma, possui robótica, vídeo games, sensores físicos, produção audiovisual e sonora, e impressora 3D.

“O aluno aprende a aprender com essa tecnologia e eles ficam na sala de aula para solucionar suas questões”, esclareceu. O economista também revelou que houve muita resistência no começo e houve formações aos professores. “Começamos com os alunos e depois com os professores. Mas ainda alguns docentes ainda falam que o investimento da iniciativa poderia ser melhor investida em outra ação”, comentou.

Para contribuir com a estrutura do programa, Gonzalo Pérez disse que houve formações presenciais para mostrar como essas plataformas possuem diferentes aplicações no dia a dia dos estudantes e até elaboração de um tutorial. Para isso foram contratadas empresas que treinam on-line e oferecem cursos. Para usar a plataforma CREA, foram oferecidas capacitações presenciais para os profissionais da educação aprenderem e saberem como inovarem.

O público questionou como o governo acompanha a evolução e a implementação do programa. Gonzalo explicou que é realizado anualmente pesquisas para saber como a sociedade está se apropriando dessas ferramentas e o processo de inclusão digital. Constataram que a tecnologia está disponível para a maior parte da população Uruguai e isso já faz parte da vida deles. “Tentamos simplificar a tecnologia. No primeiro ano, não tivemos um bom resultado”, confessou o gerente geral da iniciativa e ainda compartilhou que 55% das mães e avós aprenderam mais sobre tecnologia. “Temos sim professores que criam seus próprios trabalhos digitais para usarem com seus alunos. O poder da plataforma é contribuir na disseminação desse esforço”.


Acesse o site do evento aqui: http://transformareducacao.org.br
Confira cobertura da equipe do Porvir: http://porvir.org
Programa Ceibal: http://www.ceibal.edu.uy/

Confira a notícia Como o Uruguai pode inspirar o Brasil, feita pela equipe do Porvir: http://goo.gl/PSqZY9

Veja abaixo cobertura completa do Portal Setor3:

Palestrantes falam sobre práticas de ensino híbrido no Transformar 2015

Criador do projeto FabLab@Schoolvaloriza a importância de espaços makers no processo de aprendizagem

Grupos de mentoria podem ser uma saída aos professores para inovação em formatos de aulas, segundo CEO da Bloomboard

Secretária de Educação de Helsinque, da Finlândia, explicou características para currículo do século 21


Data original de publicação: 31/08/2015