Especialistas debatem sobre renovação política

Diferentes especialistas falam da importância de escuta em diferentes públicos e escolha em novos candidatos para construção de novo cenário.

painel-penultimo-conferencia-ethos-2018-Reduzida
Diferentes especialistas ressaltam a importância da conversa para escolha de gestores com propostas inovadoras. (crédito da imagem: Nutthaseth Vanchaichana/GettyImages)

“Quem nunca muda, nada muda”, afirmou Luiz Cornacchioni, diretor executivo da Associação Brasileira do Agronegócio (Abag), sobre a importância da escolha de diferentes atores na agenda política no painel Representatividade e Renovação Política – Novos Atores e Ideais que Invadem à Política Brasileira na Conferência Ethos 2018 na Expo Barra Funda na zona oeste de São Paulo.

Ana Luiza Aranha, consultora do Centro de Conhecimento Anticorrupção, afirmou que combater á corrupção é um tema forte na atual política. “Temos um parâmetro que 83% dos brasileiros acham que podem fazer a diferença no dia a dia no pacote em debate. Também falou sobre o documento com 10 medidas para evitar a corrupção. Ela ainda ressaltou a importância de apoiar novos políticos com propostas inovadoras.

Gláucia Barros, diretora programática da Fundación Avina no Brasil, abordou sobre os processos colaborativos e a importância de ter parceiros internacionais. “Só ter capital social não é suficiente. Precisamos ter conhecimento compartilhado pela sustentabilidade cada vez mais desafiado a pensar na questão de status”.

Há alguns anos a diretora da Avina acompanha plataforma política brasileira e outros de concentração de interesses. Ela ainda comentou sobre a pesquisa feita pelo Instituto UpDate e entrevistaram 11 países com análise bem breve com correlação de autoritarismo, vinculado às desigualdades: https://goo.gl/c3hPkD

A representante da organização internacional ainda ressaltou a importância de saber construir uma agenda de advocacy e de diálogo com os deputados federais, por exemplo. “Precisamos aprender a falar com quem as populações não conseguem dialogar. As pessoas também usarem seu protagonismo”.

Luiz Cornacchioni, diretor executivo da Abag, também atua como co-fundador da Coalizão Brasil- Clima, Florestas e Agricultura e disse sobre a entrega da carta de recomendações para mobilizar todos os canais para trabalhar e atingir um consenso com uma visão de 2020/2030 e metas para serem atingidas daqui 50 anos. Ele ainda explicou que a própria Coalizão é um exercício democrático bem importante e que a sociedade vive um momento único.

Gláucia ainda ressalta a importância de ter políticas preparadas para possibilitar aliados e posturas nos gestores de capacidade de escuta. “Ainda não somos representativos dentro da população para combater um dos principais problemas: desigualdades”, afirmou.
Defendeu que é necessário amorosidade para melhorar o diálogo para uma perspectiva mais democrática. Já Ana Luiza disse que precisa trabalhar conjuntamente com movimentos e organizações da sociedade civil para sair da zona de conforto e conversar melhor.

Acesse aqui o site do evento: https://www.conferenciaethos.org/saopaulo