Doações em queda impulsionam startups de serviço para ONGs

A cada ano, dobra o número de empresas Pequenas, Inovadoras e Do Bem.

artigo-captacao-de-recursos-Reduzida
Jornalista cita startups voltadas para o terceiro setor. (crédito da imagem: Anna_leni/GettyImagem)

Desenvolver soluções para auxiliar ONGs em todas as etapas da captação de recursos é a missão de diversas startups, criadas com o propósito de atender exclusivamente o terceiro setor. Pequenas, inovadoras e do bem, essas empresas prestam serviços que otimizam processos vitais de gestão com ferramentas de CRM, sistemas de pagamento, campanhas de marketing, relatórios analíticos, consultorias, acesso ao crédito e até agências de turismo.

“Essas soluções são fundamentais para as organizações da sociedade civil, sobretudo num momento em que o volume de doações caiu, e elas precisam inovar seus processos de engajamento e captação de recursos”, diz Amanda Riesenberg, diretora da Because, agência de marketing especializada no Terceiro Setor e Negócios Sociais.

O debate sobre o Futuro da Captação de Recursos será o tema do congresso promovido neste ano, entre 9 e 11 de junho, pela Associação Brasileira de Captadores de Recursos (ABCR), que reunirá diversas experiências do uso da tecnologia e inovação pelas organizações sociais. Segundo a instituição, a cada ano, dobra o número de pequenos negócios de olho nesse filão social.

Durante o evento, será apresentado um estudo das principais demandas deste mercado no quesito relacionamento com os doadores. “A pesquisa vai mostrar às organizações não apenas a realidade do seu segmento, como também fará com que as empresas que as atende com suporte e serviços ofertem soluções mais contextualizadas e efetivas.”
Entre os exemplos de startups voltadas para o terceiro setor, estão:

1) Trackmob – oferece uma solução de captação on-line, que possibilita às organizações direcionar o tráfego na internet para uma única página, otimizando o cadastro e tornando as doações feitas via cartão de crédito mais ágeis e seguras. Em meados de 2014, a startup chamou a atenção da aceleradora carioca Papaya Ventures, quando recebeu seu primeiro aporte de diversos aportes de investimentos até hoje.

2) BeCause – com mais de uma década de experiência em marketing e mobilização de recursos (seu nome anterior era Nossa Causa), a agência atende exclusivamente organizações e negócios sociais. Suas soluções são pensadas na atração e retenção de doadores por meio de campanhas nos meios digitais e monitoramento dos resultados.

3) Firgun – facilitadores para o acesso ao crédito de negócios sociais, criados na periferia. Por meio de uma plataforma, qualquer internauta pode virar um investidor emprestando dinheiro aos microempreendedores credenciados na Firgun. O financiamento será quitado por meio de prestações corrigidas por juros justos.

4) SocialDOCs – É uma produtora de filmes totalmente dedicada ao terceiro setor. Para eles, contar as histórias da organização é uma fórmula eficiente para fortalecer a credibilidade da ONG, perante novos e atuais doadores.

*Texto produzido pela Adriana Souza Silva, da Agência Pauta Social.