Dia de Doar (01/12): por um país mais generoso e solidário

Este movimento ganhou força pela pandemia e ajuda a transformar a doação em hábito de todos. A celebração já ocorre em mais de 70 países.

Ilustração de coração com frase abaixo: Dia de Doar 1 de Dezembro de 2020.
Em dezembro do ano passado, o Dia de Doar estimulou R$ 2,3 milhões em doações em um único dia. (crédito da imagem: divulgação)

A mobilização por doação começou em março deste ano com a crise com a avanço da pandemia do coronavírus. Segundo o Monitor das Doações, foram mais de 6 bilhões de reais doados por toda a sociedade, de pessoas físicas aos grandes bancos. Em maio, foi realizado o Dia de Doar Agora, uma edição extraordinária em função da urgência trazida pela Covid. No dia 5 de maio, foram 2 milhões e 300 mil reais doados online por pelo menos 3.200 doadores. Essa mobilização alcançou pelo menos 14 milhões de pessoas on-line.

O Dia de Doar (01/12) é realizado pela pela Associação Brasileira de Captadores de Recursos (ABCR), com apoio do Movimento por uma Cultura de Doação e em parceria com a Umbigo do Mundo, Fundação Jose Luiz Egydio Setúbal, Instituto Mol e Movimento Bem Maior. A ABCR é a representante oficial da data no Brasil junto ao movimento global do #GivingTuesday. São parceiros do Dia de Doar.

Desde 2013 o Brasil participa do Dia de Doar, que começou um ano antes nos Estados Unidos, em 2012, criado pela organização nova-iorquina 92Y. Hoje campanha é mundial e conta com a participação oficial de mais de 70 países. O #GivingTuesday (terça-feira de doação), conhecida nos países estrangeiros, é promovido sempre na primeira terça-feira depois do Thanksgiving (Dia de Ação de Graças) e seguindo as datas comerciais já famosas como Black Friday e Cyber Monday.

Neste ano, mais uma vez, esse grande movimento deve crescer mais e vai tomar conta de várias comunidades, cidades e estados, milhares de organizações e pessoas se prepararam para receber doações e milhões de brasileiros poderão demonstrar, mais uma vez, seu apoio para os mais vulneráveis. O movimento é democrático e, quanto mais gente se engajar, maior ele se torna e mais pessoas e causas são beneficiadas. Por isso as campanhas de cada município do país são tão importantes.

Há ainda as campanhas comunitárias, que ampliam o impacto da doação para cidades, comunidades e causas. Elas promovem a doação da comunidade para a própria comunidade, estimulando o engajamento local das pessoas. Tem as campanhas DoaSorocaba, #DoaSergipe, #DoaCampinhas, #DoaPiracaia, entre tantas outras.
Também há iniciativas para ajudar pacientes de câncer, que será o foco da campanha do Dia de Doar Natal dos Sonhos, em Teresina (PI), para beneficiar atendidos pela Casa Esperança e Vida. Em Sergipe, a campanha incentiva a doação para 10 instituições de diferentes causas no Estado.

Foto de menina cega segurando o globo terrestre.
A Fundação Dorina reconhece a necessidade da mobilização para incrementar as doações e viabilizar mais ações para pessoas com deficiência visual. (crédito da imagem: divulgação)

Na Fundação Dorina Nowill para Cegos, por exemplo, é possível doar por meio de campanhas pontuais, como a do Calendário Acessível 2021, Ame, PicPay, entre outras, cupons fiscais e até porcentagem do imposto de renda – nos dois últimos casos, sem gerar qualquer custo para o doador. “A data reforça a importância da solidariedade que, reconhecemos, pode ser manifestada de diferentes formas. Dedicar um tempinho para compartilhar o nosso trabalho nas redes sociais também é um ato de doação, que ajuda a ampliar a repercussão da nossa causa e atividades”, diz Alexandre Munck, superintendente executivo da Fundação Dorina Nowill para Cegos, lembrando que ser um voluntário também é maneira de se doar ao Terceiro Setor. Para fazer parte desta ação solidária basta clicar no link e realizar suas doações para a entidade.

As doações em dinheiro, feitas pelo site da Cruz Vermelha Brasileira de São Paulo (CVB/SP) tiveram 98% de queda, desde agosto deste ano. Os estoques de alimentos para cestas básicas seguem o mesmo ritmo e preocupa a direção. Para a instituição, o Dia de Doar é todo dia, porque a arrecadação de empresas e pessoas físicas que os voluntários conseguem preparar e entregar alimentos, produtos de higiene pessoal, de limpeza e máscaras para comunidades, moradores de rua, imigrantes e refugiados que pedem ajuda. Houve desdobramento do trabalho para entregar as doações e atender quem mais precisa. De acordo com a gerente de projetos sociais e voluntariado, Marina Dauar, durante a pandemia, a CVB/SP foi uma das parceiras da prefeitura de São Paulo no programa Cidade Solidária e utilizou seu centro de logística de 2.500 m², beneficiou mais de três milhões de pessoas com as doações: 757 mil cestas básicas; 385 mil kits de higiene pessoal e limpeza; 372 mil máscaras e 12 mil livros.

Foto de panetone com postais
Em homenagem à data, em 01/12 a Casa Bauducco também terá Lives o dia todo em seu Instagram @casabauducco, para discutir sobre o tema e as várias formas de doação. (crédito da imagem: divulgação)

Já a Casa Bauducco e o Instituto Fazendo Histórias pretendem ajudar com crianças e adolescentes em situação de vulnerabilidade. A Editora MOL desenvolveu dois modelos de cartões de Natal, com mensagens que retratam a força do amor. Todo o dinheiro das vendas desses cartões será doado para o Projeto Famílias Acolhedoras. Além de presentear alguém com um lindo gesto e uma bela mensagem, ainda contribui com uma causa social relevante. Os cartões já estão à venda no App Web da Casa Bauducco, no iFood, e nos caixas das mais de 80 lojas da rede espalhadas por todo o país. A disponibilidade é até enquanto durar o estoque.

Para saber das lives e demais programações no país, acesse o site do Dia do Doar: https://diadedoar.org.br/