Creche traz mais estímulo ao desenvolvimento de crianças

Pesquisa encomendada ao IBOPE Inteligência pela Fundação Maria Cecilia Souto Vidigal mostra as necessidades e interesses de famílias sobre o desenvolvimento das crianças.

 

Crianças de zero a três anos que frequentam a creche ou vão para a casa de alguém durante o dia têm mais rotinas que estimulam o desenvolvimento do que as que ficam em casa com pais ou cuidador. Esse é um dos principais resultados da pesquisa encomendada ao IBOPE Inteligência pela Fundação Maria Cecilia Souto Vidigal, instituição que tem como foco de atuação a primeira infância, mostra que 89% das crianças que passam o dia – ou parte dele – em creches folheiam livrinhos e ouvem histórias contadas por alguém. Para crianças que ficam em casa, o percentual cai para 62%, menor também na comparação com as que permanecem parte do dia na casa de alguém – 84%.

O objetivo desse estudo é mapear as necessidades e interesses de famílias brasileiras sobre questões de rotina e percepção de qualidade de creches e traçar um perfil dos cuidadores.

33% das crianças frequentam a creche, sendo aproximadamente 20% usam serviços gratuitos e 14% creches privadas. 12% das crianças vão para a casa de alguém durante o dia, sendo que uma fração de 7% dos responsáveis leva a criança para a cheche e para a casa de alguém. 57% das crianças levam em casa. Entre as crianças que frequentam a creche, 51% o fazem em período integral e 49% por apenas algumas horas.

O mesmo acontece com atividades como brincar ao ar livre, que faz parte da rotina de 95% das crianças de zero a três anos que frequentam creche e de apenas 81% das que passam a maior parte do tempo em casa. Também traz que estar mais tempo em casa em muitos casos não quer dizer que há interação de qualidade com adultos: apenas 67% das crianças brincam, pintam, ou desenham com adultos, enquanto na creche o índice sobe 91% e na casa de outros cuidadores é de 74%.

Para mais de 64%, consultas periódicas no pediatra é o item mais importante, seguido pela amamentação e o cuidado com a alimentação. O item “receber carinho e afeto” é considerado importante para apenas 17% dos entrevistados, enquanto conversar com a criança é o último item da lista, segundo as famílias. Somente 34% dos entrevistados acreditam que a criança começa a aprender ainda dentro da barriga da mãe.

Hoje, 67% dos responsáveis por essas crianças matriculadas em creches acreditam que essa é a melhor opção para o desenvolvimento e não mudariam a escolha. De forma geral, para os responsáveis as creches têm uma série de vantagens para o desenvolvimento das crianças, a principal, de acordo com a pesquisa é: aprender a conviver com outras crianças, com 52% das opiniões, seguido por ter acompanhamento de profissionais especializados (47%) e acesso a atividades variadas (46%). Para 20% dos entrevistados, a falta de vagas perto de casa é o principal motivo para as crianças não estarem matriculadas.

Clique aqui: https://goo.gl/NXEMr7

COMPARTILHAR