App Mais Vívida une idosos e jovens

Com slogan Anjos sob demanda, startup oferece serviços a idosos com jovens em atividades do dia a dia.

Duas mulheres e um homem ao centro pousando para foto em espaço de coworking.
Plataforma valoriza a relação intergeracional. (crédito da imagem: divulgação)

Três profissionais da área da comunicação desenvolveram um projeto final de MBA em Business Innovation relacionado com qualidade de vida na terceira idada. Todos eles tinham uma história com seus avós e viram que esse segmento oferecia oportunidades. Eles refletiram: o que fazer para melhorar a vida dessas pessoas? De que forma doar no sentido de melhorar a qualidade de vida deles? A partir daí, o trio começou a construir tipos de serviços do cotidiano, criando a plataforma Mais Vívida: www.maisvivida.com.br

Filipe Ribeiro Mori, publicitário e gerente de pré-vendas na Spring Global, é um dos idealizadores da plataforma. Ele compartilhou que o grupo levantou os principais desafios desse segmento, como: depressão e outras doenças psiquiátricas, isolamento social e dificuldades no manuseio em ferramentas tecnológicas, entre outros. A partir daí, pensaram como a tecnologia poderia contribuir e ajudar esse segmento a ter uma mente mais ativa.

A plataforma pretende estimular a inclusão social, digital, física e cognitiva. Mais Vívida aproxima jovens, conhecidos como Anjos, aos idosos em atividades do dia a dia, fazerem companhia, ouvirem histórias e até construírem relações de carinho. Lançado em junho do ano passado, a plataforma começou as operações na capital paulista e atualmente está expandido no interior de São Paulo e outras capitais do país. Hoje são 35 cidades cadastradas.

Foto de jovem negra ensinando idosa a mexer no celular em mesa de sala de jantar.
O app ganhou dois prêmios: Melhor Pich da StartUp Farm – edição especial Female Founders e eleita uma das Top 10 promissoras do Aging 2.0. (crédito das imagens: divulgação)

Os Anjos são jovens entre 18 e 30 anos, chamada Geração Z, que buscam trabalhar com um propósito. Para ser um, é necessário preencher um formulário no site para informar dados pessoais e responder: O que motiva você a ser um anjo? Após passar por um rigoroso processo seletivo, incluindo checagem de antecedentes criminais, teste de personalidade e entrevista, eles ainda participam de um treinamento, feito em parceria com uma profissional especialista na área de saúde, mentora em envelhecimento saudável e mestre em Gerontologia.

Já os Anjos, em geral, são estudantes ou recém-formados que fazem estágio ou somente estudam, porém possuem uma parte do dia livre. A maioria vive nas seguintes regiões: sul, centro e oeste.

A plataforma oferece três tipos de serviços: aprender a manusear as ferramentas das novas tecnologias, como redes sociais, fotos e backups de arquivos; acompanhamento para compras, consultas e passeios em geral; e companhia para jogos e conversas para manter a mente ativa.

Os serviços são cobrados por hora avulsa, no valor de R$ 60,00. Ainda existem dois planos: flat, que possibilita optar pelos dias de preferência e usar seis horas no total, e premium, que permite optar pelos dias de sua preferência e utilizar 12 horas no total. Cada encontro em média dura uma hora e meia.

Segundo Filipe, os idosos do Mais Vívida são das classes A, B e C. A maior parte é da A e a faixa etária é entre 70 e 95 anos.

O publicitário ainda conta que os serviços da plataforma ajudaram uma senhora de 78 anos que mora com a filha dela, que fica fora de casa o dia todo. “Ela nem queria tirar foto, vivia com a cara fechada, sisuda. Depois de três atendimentos, já conseguimos dela sorrisos e um mês ela se vestia diferente e encarava a saída com o Anjo como um momento especial”.

Foto de uma jovem, idosa (no centro) e uma mulher adulta em sala de residência.
Anjo Gabriela Sierra (à esquerda), senhora Frida (no centro) e uma das idealizadoras da plataforma Viviane Palladino. (crédito da imagem: divulgação)

Luciana Donati Ribeiro possui a sogra Iglacy e a avó Maria Augusta usando o serviço de aprender a usar a tecnologia e aplicativos que facilitam a comunicação e mobilidade no dia a dia. Sua avó tem 99 anos e ganhou recentemente um celular mais tecnológico e quer se comunicar melhor com a família. Já a sogra tem 85 anos, aposentada, costuma viajar com frequência e quis também manusear melhor os aplicativos do seu celular.

Maria Augusta usa plataforma desde dezembro do ano passado, já Iglacy desde janeiro de 2020. A avó de Luciana gosta de ver e acompanhar as fotos em tempo real nos aplicativos. “Ela sempre teve curiosidade e quis comprar celular novo, quando saíram os modelos mais modernos”, observa Luciana. Já Iglacy também gosta de acompanhar fotos e conversas da família e amigos, além de usar o aplicativo de mobilidade.

Luciana ainda comenta que a jovem Anjo tem uma linguagem bem acolhedora, que facilita o processo de aprendizagem nessas ferramentas tecnológicas. “Acho sensacional esse serviço. Não usamos ainda no acompanhamento para consultas médicas, mas acho que pode ser um grande nicho. É bom contar com serviço de pessoas de confiança. Minha avó e sogra estão bem satisfeitas”, avalia Luciana.

Acesse e conheça a plataforma Mais Vívida: https://www.maisvivida.com.br/