76% dos brasileiros apoiam protestos contra morte de George Floyd nos EUA, segundo Ipsos

Levantamento aponta: quatro em cada 10 no Brasil consideram manifestações violentas uma resposta apropriada ao assassinato de homem desarmado.

Foto de manifestações de 31 de maio contra morte de George Floyd em Miami (EUA). Mostra as mãos das pessoas em detaque pulso fechado de um homem negro.
Pesquisa mostra opinião de habitantes de 15 países sobre manifestações em casos violentos de racismo. (crédito da foto: Tverdokhlib/Stockimage)

Ipsos divulga pesquisa on-line com mais de 15 mil entrevistados de 15 países sobre protestos e manifestações para combater casos de racismo, especificamente as discussões geradas em todo mundo a partir das imagens de George Floyd sendo morto pela polícia de Minneapolis (EUA) no final de maio deste ano. O período de entrevistas foi de 04 a 07 de junho de 2020. No Brasil, foram entrevistadas 1.000 pessoas. A margem de erro para o Brasil é de 3,5 p.p..

76% dos brasileiros apoiam os protestos pacíficos e as manifestações que estão tomando as ruas americanas desde o assassinato de Floyd, 12% são contra e 12% não souberam opinar. Os países cujos entrevistados deram mais apoio ao movimento são Canadá (81%), Alemanha e Índia (80%), e África do Sul, Reino Unido e México (79%). Já os países com as taxas mais baixas de apoiadores são Rússia (37%), Japão (61%) e Coreia do Sul (66%). Nos Estados Unidos, o índice de apoio às manifestações é de 75%.

Também foi questionada a gestão de Trump. Aqui no Brasil, apenas 27% disseram aprovar a maneira como o presidente Donald Trump tem administrado a questão dos protestos recentes nos Estados Unidos; 53% desaprovam e 20% não souberam responder. De 15 nações, a única em que mais da metade dos entrevistados avaliou positivamente como Trump conduziu as manifestações após a morte de Floyd foi a Índia, com 57% de aprovação. O segundo país com o maior número de apoiadores do presidente republicano foram os Estados Unidos, com 28%. Os brasileiros (27%) estão em terceiro entre os que mais aprovam Trump.

Do outro lado, os entrevistados que menos apoiaram a liderança americana atual nesse período de embate nas ruas são os britânicos (11%), os canadenses (13%), já os alemães, espanhóis e franceses com 14%.

Para quatro em cada 10 brasileiros (40%), protestos violentos podem ser considerados uma resposta apropriada à morte de um homem desarmado pela polícia. O Brasil fica em terceiro lugar – de 15 – entre os que mais concordam com a afirmativa. A primeira posição fica com a Índia (50%) e a segunda, com a Rússia (42%).

Já as nações que menos concordam com o uso de violência para justificar qualquer tipo de manifestação são a Austrália (22%), seguida por Canadá, Alemanha e Reino Unidos (empatados com 23%) e Itália e Estados Unidos (24%).

O Brasil é o país mais solidário às pessoas que estão protestando neste momento: 76% dos entrevistados locais são empáticos aos manifestantes americanos. O México também está na primeira posição, empatado com 76%. Índia e Itália ficam em segundo (74%) e Canadá e Alemanha (73%), em terceiro.

As nações menos solidárias aos que marcham protestando contra o assassinato de George Floyd são Japão (50%), Rússia (56%) e Coreia do Sul (58%). Nos Estados Unidos são 65% do total de entrevistados localmente.

Acesse aqui pesquisa no site da Ipsos: https://bit.ly/335Pv5M